quinta-feira, 28 de julho de 2016

O lado bom da incerteza




Canto um samba em tom de tristeza
Viro a mesa em prol de um coração sem calor
Provo o lado bom da incerteza 
Viro o mundo em busca de uma prova de amor

Firmo a fé nessa peleja
Finco um contrapé na dor
Desejo o que for 
desfaço o teu rancor sem pudor
Ouço o som da voz que me guia

Vivo a vida leve que a paixão nascerá
Livre, breve, santa e vadia
Fruto da ilusão que logo então se sara

Se a casa ficar vazia
depois de encontrar prazer
Enxugo o suor sabendo o que é melhor a fazer

Sigo o meu destino inocente
Simplesmente faço o que me deixa feliz
Quando o amor se faz descontente
Deixo uma semente que corta o mal na raiz

______________________________________________________

Adaptado para o verbo em primeira pessoa, a partir da poesia de Moysés Marques, pra ficar ainda mais parecida comigo.

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...