Separação

Do corpo cansado
nasceu a palavra
a espada e o escudo

Da alma cansada
Nasceu a verdade
e o grito de "basta"

Da resiliência do corpo e da alma
nasceu força

Da força nasceu
auto-lealdade
e libertação.

bocas não se tocaram
olhares não se cruzaram
Corpos desencaixados com estranheza
pernas frias e distantes
Como se nunca entrelaçadas

Não havia o que os prendesse
Nem os grilhões do desejo do corpo
Nem a saudade carente da alma.

Ele falava um idioma ríspido
E ela não podia
(nem queria)
entender nada.



Elizabeth Maia
Brasília, 16/03/2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminação sem gesso

Cortinas para a casa nova dos meus amigos Lai e Lu

Discurso que proferi na minha colação de grau do curso de Arquivologia, da UnB, dia 03 de fevereiro de 2009, em Brasília.