Será?

Que neblina é essa que agora encobre a luz que outrora dourava as encostas da cidade?
Que nuvem é essa que agora embaça a sombra cabisbaixa dos teus olhos?
Será teu amor vertido por outra que teu coração não deixou segurar?
Será a ligeira esperança de um coração agora livre a te esperar?
Será descaso? Será opróbrio?
Será teu próprio peito enchendo das águas
que a ternura minha não soube lavar?

O que será essa sombria ilusão de futuro sobre o vale dos teus versos?
O que será essa espessa massa de esperança que se acinzentou?
O que será de mim tentando te ventilar?
O que será do sonho a tatear no frio escuro do dia que é e que será?
Será que conseguiremos caminhar?
Será o amor a nos procurar?

Chove.
É a tristeza da chuva a nos depurar.
É a nuvem de amor a nos desanuviar.

Será?

22/07/2013 - 16:14

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminação sem gesso

Cortinas para a casa nova dos meus amigos Lai e Lu

Discurso que proferi na minha colação de grau do curso de Arquivologia, da UnB, dia 03 de fevereiro de 2009, em Brasília.