quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Se perdeu... - Texto escrito em alguma data que se perdeu, no ano de 2010.

E daí eu resolvi mexer aqui nos textos salvos como rascunho e resolvi postar isso. Como diz o título: o escrevi em alguma data de 2010. ;)
_____________________________________________________________


Eu fui ensinada a encarar a vida como um caminho que havia sido escrito e pré-determinado. Nunca consegui enxergar a vida como algo que já havia sido programada. Sempre achei estranho, frustrante, doloroso e sem graça imaginar que tudo que eu penso, faço, escolho ou realizo estava traçado, condicionado. Imaginava que, se todo meu trajeto já havia sido programado, não fazia sentido em todos os sentimentos envolvidos no processo de escolha, com o qual nos envolvemos a cada minuto, da hora que levantamos ao momento de descansar.

Por isso, eu nunca consegui entender a tragédia, a falta de oportunidade, o medo me paralisando. Se a vida tem roteiro, por que justo eu tive que passar por tantas coisas desagradáveis?

Hoje eu consigo compreender com um pouco mais de serenidade que nem tudo que ouvimos, vimos, lemos, vivemos, experimentamos, tem como interpretação final a primeira "leitura" que fazemos. Hoje eu entendo que tudo que acontece com a vida da gente tem uma razão muito mais profunda de existir, obedece a uma cadeia muito mais complexa de relações com outros seres (nossos irmãos, amigos, parentes, sociedades, próximos e distantes). E agora eu realmente compreendo coisas que a minha cabeça não entendia há tempos atrás... e o que eu não entendo hoje, talvez um dia, com um pouco de paciência, entenderei.

Hoje eu não tenho nenhuma opinião formada, ou mesmo a menor idéia sobre como a vida da gente se dá andamento (com como alguém faz para que ela ande), só sei que tomei a atitude de ir em frente, e parar de olhar para trás e imaginar "como teria sido" se eu tivesse escolhido outros caminhos, tomado atitudes diferentes. E eu entendo que, apesar de querer viver a vida como quem anda "pisando em ovos" (para não machucar nem a mim, nem a ninguém), o que é preciso mesmo é viver, e aproveitar o tempo que se tem, fazendo o que é bom, agradável, lúdico.

Escrevo tudo isso pra dizer que, quanto mais o tempo passa, mais eu percebo que a vida tem que ser aproveitada de forma plena, sem neuras, sem muitas reservas, sem arrependimentos.



Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...