segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Novos tempos

Quisera eu
adentrar teus templos,
visitar teus símbolos
com ousadia,
tocar teus sinos
e tua geografia

de poesia
cobrir tuas matas.

te combinar
no tecer desses dias,
ser instrumento
e te tocar
de harmonia e singeleza,
te vestir de beleza,
beijar teus olhos,
abrir tuas flores,
pintar com as cores
da palma da minha mão
me reunir a ti
por adoção
por devoção

afastar tuas dores
e cantar
renovar sabores
te adoçar
te colorir de alegria,
trazer o meu sonho ensolarado
pra iluminar teu dia

forrar com juventude
o tecido puído dos nossos versos.
me ofereço, me dispo,
me empresto

Pra ser tua inspiração,
tua canção,
tua mulher.
E se me fizer teu refrão,
ser a força do teu coração.

 



Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...