domingo, 25 de novembro de 2012

Sossego



Cheiro de mato
de lugar pacato
sem barulho de buzina
Beira de água natural
Vento no rosto
sono eventual
sal, sol e piscina

O toque suave e seco
das patas de cavalo na pista
não anunciam conquista
só sossego
Embalo de rede
silêncio que se antecede
paz que se anuncia

Companhia da alma
solta como inseto
liberto
passeando sonolento 
Coração pacato
não dorme ao relento
encontrou morada
e alento.
__________________________________________

Meu coração tem andado tão pacífico, minha alma tão serena. 

Imagem do Tauá Grande Hotel e Termas de Araxá, em Araxá, MG. Foto minha, de dezembro de 2011.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Próximo


Ocupo os espaços que posso
Elaboro de novo o que penso
Dentro daquilo a que pertenço
Me refaço no que era nosso

Não perco o senso
Não me despeço
Não te incomodo
Viajo. Venço


____________________________________

Esse aí acabei de escrever. Da série: mais um que fugiu.
Sem mais.

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...