terça-feira, 17 de julho de 2012

Inteira


Fico bem assim
quando me afasto de multidões 
e me acerco de mim.

Não se aproxime
com tanta gente nas costas
tantas histórias
e amores que não deram certo
nem fique por perto

Não venha com todo este histórico
pesado
mal passado
Me poupe 
de suas emoções carcomidas
camas
suores
comidas e bebidas
e sua alma
cheia de feridas
como a minha
foi um dia
(e talvez ainda seja)

Quero e tenho
nova mentalidade
vitalidade 
fôlego novo

Essa virgindade imposta
no corpo e na alma
é mais que bem vinda

Agora só eu
Ser só
Com sabor e perfume
Atada ao nó
de vida nova
toda pra mim

Você,
independente de que nome tiver,
é bem vindo
mas não é necessário aqui.

Deve ser isso,
minha amada primeira,
(finalmente descubro?)
estar inteira.


Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...