Por dentro estou assim, tão colorida.


Dores de espera
Doces e delícias do meu dia
Tua ausência rondando minha cama
Vinho, chuva e poesia.

Corações por todos os lados
Como se o meu não fosse suficiente
Flores e projetos inacabados
Cadernos e monotonia.

Uma mesa sorri amarela
repleta bananas e girassóis
Fotos espalhadas pela casa
Quem dera eu, você em meus lençóis.


A casa não está abandonada
Segue organizada
administrativa e fria
Espera teu abraço
Mas segue num passo cadenciado
Como se a qualquer momento você chegasse
E trouxesse seu sorriso que ilumina e aquece tudo.

Venha logo
porque o frio assusta minhas flores
a chuva castiga minhas janelas,
e os relâmpagos,
meus espelhos.


Brasília, 20 de março de 2012. 16h07


Fazia algum tempo... e eu voltei a escrever. Obrigada, meu Deus!






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminação sem gesso

Cortinas para a casa nova dos meus amigos Lai e Lu

Discurso que proferi na minha colação de grau do curso de Arquivologia, da UnB, dia 03 de fevereiro de 2009, em Brasília.