terça-feira, 13 de setembro de 2011

Espera

Olá...

Antes deste post eu já tinha rabiscado isso aqui, por isso resolvi postar agora. Acho que tenho mais coisas rabiscadas por aí sobre este assunto, mas como este é um assunto encerrado, vou parar por aqui. Beijos.

Espera

Ontem,
na vitrine de perfumes,
esbarrei com teu cheiro acenando pra mim,
nota por nota.
Hoje,
paro e respiro
suspensa
num tempo.
No intervalo de um momento insípido
resgato aroma e tato
música e fato
sensação de um dia exato.
O delírio retorna ao avesso
dos olhares cruzados
Encontro de frente
presente e passado
O futuro inexiste.
Mergulho com folga no universo da tua textura
som, cheiro e cor.
O sabor ainda demora,
mas hora de viver é agora.

Brasília, 31 de agosto de 2011 09h52

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...