sábado, 3 de setembro de 2011

Faça de conta que pra você não sou ninguém

Escrevo para você, que sempre foi tão honesto comigo a ponto de ser cruel. Não saberia dizer qual crueldade dói mais: se esta que, de tão honesta chega a bater dura e fria, ou se aquela onde se engana com falsas ilusões. Você nunca me enganou, você nunca me prometeu nada. Ainda assim eu confesso que fantasiei e me deixei ser arrastada por essa onda que mudou minha vida inteira há exatos 18 meses.

Quero te dizer que estou te esperando. Vamos passar horas inesquecíveis e maravilhosas, porque quando a gente está junto a gente se entende e tudo vira um belo encontro de céu e mar... para sempre unidos e para sempre separados. Deus sabe por que permitiu que um dia eu te conhecesse. Ele também sabe o quanto me dói aquela nossa brincadeirinha. Eu pago caro por isso, mas foi decisão minha e eu não fujo das minhas responsabilidades.

Eu estou cansada de chorar sem razão. Eu não sei o que quero de você. Eu só quero parar de te querer e pensar em você porque isso me machuca há muito tempo e eu estou disposta a dar um basta nisso. Coloquei fotos tuas na minha casa. Me sinto ridícula, romântica... eu poderia tirá-las, mas assim não seria eu. Eu gosto de ser romântica, mesmo não gostando de parecer ridícula. Alguém vai saber colher meu carinho, minha delicadeza, meu romantismo. Me sinto ridícula em ter tanto para te dar e isso ser uma coisa absolutamente impossível.

De algo eu não me arrependo: das coisas que escrevi pra você, sempre tão cheias de verdade, sempre tão cheias de sentimento, legítimas. Eu me entendo escrevendo. Eu me enxergo no que escrevo. Quase sempre sou percebida como dramática, mas eu sou assim e não posso sentir vergonha de ser quem eu sou. Por isso amei poder escrever coisas pensando em você.

No entanto, decidi que, após esses dias em que estarei com você, vou tirar você da minha vida. Vou começar tirando você da minha casa, do meu computador, da minha "vida virtual" (a única que pouco vivi ao teu lado). Depois vou eliminar você da minha mente, do meu corpo, e um dia finalmente do meu coração.

Esta é a última canção que eu faço pra você. E como sou romântica, açucarada, esta é uma canção que beira a breguice, mas é real e verdadeira.

 


"Esta é a última canção que eu faço pra você. Já cansei de viver iludido só pensando em você. Se amanhã você me encontrar de braços dados com outro alguém, faça de conta que pra você não sou ninguém.


Mas você há de sempre lembrar que já me fez chorar, e a chance que você perdeu nunca mais vou lhe dar. E as canções tão lindas de amor que eu fiz ao luar, pra você, confesso: iguais aquelas não mais ouvirá.


E amanhã sei que esta canção você ouvirá, num rádio a tocar. Lembrará que seu orgulho maldito já me fez chorar, por muito lhe amar. Peço não chore, mas sinta por dentro a dor do amor. Então você verá o valor que tem o amor, e muito vai chorar ao lembrar o que passou"

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...