Fruta Gogoia

Eu sou uma fruta gogoia
Eu sou uma moça
Eu sou calunga de louça
Eu sou uma jóia
Eu sou a chuva que molha
Que refresca bem
Eu sou o balanço do trem
Carreira de Tróia
Eu sou a tirana bóia
Eu sou o mar
Samba que eu ensaiar
Mestre não olha


De repente eu não me sinto um fruto de vez... me sinto amadurecendo como há tempos não me sentia.

"Fruto de vez querendo ser desejado, colhido, guardado em estufa quente, úmida, secreta, para ser saboreado... amadurecer ao sol é bom mas a natureza já não é a mesma depois da presença de serpentes e maçãs".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminação sem gesso

Cortinas para a casa nova dos meus amigos Lai e Lu

Discurso que proferi na minha colação de grau do curso de Arquivologia, da UnB, dia 03 de fevereiro de 2009, em Brasília.