sábado, 6 de agosto de 2011

Fruta Gogoia

Eu sou uma fruta gogoia
Eu sou uma moça
Eu sou calunga de louça
Eu sou uma jóia
Eu sou a chuva que molha
Que refresca bem
Eu sou o balanço do trem
Carreira de Tróia
Eu sou a tirana bóia
Eu sou o mar
Samba que eu ensaiar
Mestre não olha


De repente eu não me sinto um fruto de vez... me sinto amadurecendo como há tempos não me sentia.

"Fruto de vez querendo ser desejado, colhido, guardado em estufa quente, úmida, secreta, para ser saboreado... amadurecer ao sol é bom mas a natureza já não é a mesma depois da presença de serpentes e maçãs".

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...