quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Dançar pra não dançar

Oi!

Como vão? Eu estou bem. Tenho trabalhado bastante. Esta semana eu recebi mais 11 funcionários novos e estou bastante ocupada treinando todo mundo. Esta é a hora que eu fico mais preocupada em todo o trabalho, mas sem dúvida é um dos momentos que eu mais gosto. Gosto de ensinar. Me sinto ainda meio perdida porque estou sozinha como arquivista neste projeto e não tenho ninguém para me ajudar a sanar as dúvidas, a controlar a qualidade do serviço que está sendo feito, a cuidar das muitas outras coisas que têm aqui para serem feitas... está meio tumultuado, mas está bom. Ocupa tanto minha mente que eu chego em casa muito cansada, querendo silêncio, querendo assistir tv, querendo comer e dormir.

Estou sem internet em casa. Este mês fiquei apertada de grana e resolvi abrir mão da internet um pouquinho. Aqui no trabalho ainda não tenho conexão então eu aproveito a hora do almoço pra escrever no bloco de notas e, depois que eu me alimento, levo o texto num pen drive até a lan house do shopping onde almoço.
Meus posts no facebook diminuiram bastante por causa disso. Sabe o que é mais interessante? Estou curtindo a minha casinha sem internet. Voltei a assistir tv, o aparelho de som passa mais tempo desligado, eu voltei a saber o que está acontecendo no mundo sem o "filtro" que a gente acaba construindo nas informações que chegam até nós pela web. Enfim, as coisas ficam diferentes quando estou off line.

Domingo passado eu fui a uma aula da dança muito bacana: Stilleto, ou dança sensual. Tem um video ao final do post que ilustra bem o tipo de dança. Eu gostei muito da aula, mas ainda não decidi se é isso que eu quero fazer. Há umas semanas atrás eu fiz uma aula de hip hop dance, com um professor que vai com sua turma às festinhas blacks que eu vou de vez em quando. Gostei muito. Mexi muito o corpo. Transpirei demais, e o objetivo é esse: movimentar o corpo numa atividade física que me pareça mais prazerosa do que a rotina da academia. Saúde + lazer: é isso que procuro. No próximo domingo vou a outra aula: street dance. Quero ver se é diferente do hip hop dance. Somente depois de domingo vou escolher entre o Street e o Stiletto. Ainda na semana que vem, do dia 29 de agosto a 01 de setembro, vou fazer um intensivão para iniciantes de gafieira, e depois disso vou fazer um intensivão intermediário. Estou bastante animada com isso porque seu que preciso cuidar mais do meu corpo e ainda fazer uma higiene mental, conhecendo gente nova e fazendo coisa que me dá muito prazer: dançar!!!

Sinto muita falta de dançar samba rock. Hoje estava dando continuidade à leitura de um livro que fala sobre essa música e achei esta definição bastante curiosa: "O samba rock é a necessidade de dançar, de fazer graça com uma menina, é uma falta de controle das pernas ou, como eu vejo, uma quase capoeira só com os braços". Este é um trecho de um conto de Sérgio Ballouk, parte do livro "Bailes: soul, samba rock, hip hop e identidade em São Paulo", organizado por Márcio Barbosa e Esmeralda Ribeiro. Eu concordo. Eu sinto essa necessidade. Me identifico com a dança e com as letras do samba-rock, mais do que me identifico com as letras do samba (onde a influência da religião afro-brasileira é muito grande, o que contrasta com a minha formação protestante), e mais do que com as letras da maioria dos pagodes.

Penso que o samba rock é a cara da malandragem paulistana. E eu aprecio muito!

Boa quarta-feira pra você!

Um comentário:

Bya disse...

Manter o ritmo... não importa onde nem com quem... manter o ritmo seja na ação ou em atitudes... Bom resto de semana! Adorei o video até me animei!

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...