Segredo nos lábios

Sorri no meio da noite
essa tua boca de lábios finos
e riso contido,
como quem se contém
na criação, na saliva,
na porra inteira da vida...
Como para lembrar da tua covardia infinita
de esperar a chegada do sol
que te queime a face,
que te doure a pele,
que te destaque a sombra,
que te invada a sala,
que te roube a segurança,
que te finde o sono,
que clareie a saga,
que ilumine tudo,
que disfarce os limites
entre o possível e o imaginável.

Tu me dizes que tens medo
e aconselho:
não se entregue hoje.

(Eu percebo
e desconfio)

No fundo sei que não é hoje
nem nunca.

Tá vendo aqui minha boca carnuda?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminação sem gesso

Cortinas para a casa nova dos meus amigos Lai e Lu

Discurso que proferi na minha colação de grau do curso de Arquivologia, da UnB, dia 03 de fevereiro de 2009, em Brasília.