sexta-feira, 24 de junho de 2011

Feriadin

E aí, tudo bem?

Comigo tá tudo caminhando.  Estou sentindo falta das festas "mais ou menos" de Brasília, nunca mais teve nenhuma. Digo "mais ou menos" porque festa boa mesmo não existe. E isso me frustra. A última vez que saí foi quinta-feira passada, com a Alexia e a Betania, para duas festinhas pavorosas: um samba mal feito, igual a cara de quem produziu, e um forró que mal posso comentar a frustração. Enfim, vamos continuar tentando.

Nesta semana meu projeto de trabalho foi finalmente aprovado e eu tive que correr feito maluca pra começar a dar andamento pra instalação do trabalho. Amanhã eu preciso fazer uma carta de intenções pra pós, pagar o boleto da pós, postar por sedex os documentos pra concorrer à pós... é isso aí: sempre deixo tudo pra ultima hora. Um dia eu aprendo!

No mais? Um problemão que eu resolvi hoje, por acaso, numa conversa com minha irmã, e ela me deu a solução. Simples. E eu sentindo azia há dias por causa disso, não conseguindo dormir, um horror.
Outro problema: Uma mensagem errada, confusa e precipitada que talvez tenha me deixado em situação constrangedora com um amigo que eu prezo demais.
E o terceiro problema do dia: alguém que se afastou de mim "com medo de sofrer". Afinal, eu devo ser uma bruxa malvada mesmo. Chega de tentativas de ter prazer agora. Vou viver em cláustro até o dia que eu finalmente estiver na cidade que quero, rodeada das coisas que eu desejo.

Pro jantar: arroz carreteiro moladinho delícia acompanhado de cerveja Bohemia. Papo no Skype com a hermana. Ajudei uma linda Roseirinha com um trabalho pra facul.



Tchau, gente! Já tive emoções demais por ontem e hoje.

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...