sexta-feira, 17 de junho de 2011

Essas linhas nas quais escrevi teu nome...

Me deixa cuidar
da tua febre,
das tuas roupas
do teu coração surrado
do teu pão
do teu cansaço...

Me deixa te fazer massagem
te curar do estrago
da noite mau dormida
da tua vida
da tua lida
de ti.

Band-aid descompensado
Paixão e cuidado
Pro meu coração marcado,
machucado
Pro meu amor aguerrido
solitário

Chuva pro meu deserto
água no solo da minha terra
alma heroina
cansada de guerra.

Mais que malícia pros teus sonhos loucos

Me deixa?
Sim, me deixa.

Escrito em 12 de junho de 2010, editado hoje.

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...