domingo, 16 de janeiro de 2011

Divagações notívagas

A pior coisa de ser uma habituada com a noite é chegar às 3h da manhã, não ter ninguém acordado pra conversar com você no facebook, no msn ou no skype, e ainda bater aquela fome animal que você não sentiria se estivesse dormindo. Até tem gente on line nos meus comunicadores com o mundo, mas somente estrangeiros, mas uma hora dessas, minha gente, meu cérebro mente já deu pala e não consegue mais lembrar as quatro palavras que sei dizer em ingles, nem as 4 em espanhol e outras poucas em italiano... Maaas, como eu ia dizendo: que vontade de atacar a geladeira!

Amanhã vou começar a levar as minhas coisas para o apartamento novo, no Lago Norte, onde vou morar. Hoje eu fui lá limpar. A kitinete parecia ser vizinha de um lugar em guerra. Estava cheia de escombros. Sim, porque sujeira daquele tanto só pode ser chamada de escombro! Graças a Deus, minha querida amiga do Cabelo Pixaim botou a roupinha de faxina (eu coloquei meu shortinho do Tchan) e a gente deu uma geral no meu futuro reino. Aquele lugar pequinininho vai ficar MARA! Já levei alguns posteres para lá mas só vou usar dois. Momento esquisitice: o vizinho do prédio da frente fez questão de abrir bem a janela e ficar deitado todo arreganhado (como se diz la na mina terra). Como eu tinha retirado as cortinas para lavar, tivemos que nos deparar com aquele espetáculo esdrúxulo da total falta de privacidade. Pensei em colocar as cortinas de novo, mas iríamos morrer de calor. E isso ninguém merece. Então ficamos lá faxinando e dando aquela olhadela no vizinho exibido.

Estou animada. Descobri que serei vizinha de um restaurante, de um shopping recém-inaugurado, de duas academias de ginástica, de uma galeteria excelente, e de uma clínica de depilação. Legal, né? Eu sempre tive a impressão que não tinha gente morando ali. É tudo tão deserto. Vamo nessa. Vou tentar relaxar e dormir agora. Amanhã vai ser um dia puxado.

Té mais!

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...