quarta-feira, 16 de junho de 2010

Poesia marginal

Anteontem recebi mais um livrinho que veio do jeitinho que eu gosto... aqueles que eu compro pela internet e eles vêm embaladinhos em papel pardo... sinal que vieram de sebo, sinal que alguém dele já se aproveitou, sinal que se antes foi rejeitado, agora ele foi desejado e esperado. Recebi "Poesia marginal", coleção de poesias do Cacaso, Chacal, Paulo Leminski Francisco Alvim e Ana Cristina Cesar, da Ed. Ática, da série "Para gostar de ler", como eu lia no segundo grau. Eu gosto de ler. Sabe por que? Porque a leitura me traz prazeres etéreos!
Tomo a liberdade de escrever aqui um dos textos do livro: Meio fio

Tem um fio de queijo
entre eu e o misto quente
recém-mordido
tem um fio de goma
entre o chiclete e eu
recém-mascado
tem um fio de vida
entre eu e teu corpo
recém-amado
tem um fio de carne
entre teu corpo e teu filho
recém-nascido
tem um fio de saudade
entre mim e você
recém-passado
tem um fio de sangue
entre a razão e eu
recém-partido
tem um fio de luz
entre eu e mim
recém-chegado.
Chacal


Outros textos do Chacal com os quais me identifico muito é este aqui e este outro, que já postei aqui no blog. Também já falei do Cacaso aqui.
Beijos cheios de poesia e liberdade pra você!

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...