domingo, 30 de maio de 2010

Queixa

Tomei a iniciativa de retirar o último post do blog porque o reli hoje de manhã, com a cabeça fresca, e vi que seu conteúdo era deveras íntimo. Como diz o título deste atual post, aquele era um grito, uma queixa, um choro de criança ante a sua latente impotência.

Porém, após ter decidido tirá-lo do ar (e eu sei que essa internet faz com que deixemos rastros), a vida me presenteou com o redescobrimento de uma canção que eu conheço desde quando me entendo por gente: Queixa, do Caetano Veloso. Há dias esta letra martelava na minha cabeça, e hoje eu chorei a cada palavra cantada pelo Caetano... e senti que a cançao falou exclusivamente comigo pela primeira vez na vida. Isso não é muito louco? De repente, uma música de um disco de 1982 (eu nasci em dezembro de 81, então ha uma ligeira possibilidade dela ser mais velha que eu) se mostra, se revela, passa a fazer todo sentido. Escutem esta bela versão. Vejam que bela Queixa! Obs: as imagens do vídeo são bem bregas... tipo: quando ele canta "princesa..." aparece uma princesa tipo disney.. afff....




A letra:

Um amor assim delicado
Você pega e despreza
Não devia ter despertado
Ajoelha e não reza

Dessa coisa que mete medo
Pela sua grandeza
Não sou o único culpado
Disso eu tenho a certeza

Princesa, surpresa, você me arrasou
Serpente, nem sente que me envenenou
Senhora, e agora, me diga onde eu vou
Senhora, serpente, princesa

Um amor assim violento
Quando torna-se mágoa
É o avesso de um sentimento
Oceano sem água

Ondas, desejos de vingança
Nessa desnatureza
Batem forte sem esperança
Contra a tua dureza

Princesa, surpresa, você me arrasou
Serpente, nem sente que me envenenou
Senhora, e agora, me diga onde eu vou
Senhora, serpente, princesa

Um amor assim delicado
Nenhum homem daria
Talvez tenha sido pecado
Apostar na alegria

Você pensa que eu tenho tudo
E vazio me deixa
Mas Deus não quer que eu fique mudo
E eu te grito esta queixa

Princesa, surpresa, você me arrasou
Serpente, nem sente que me envenenou
Senhora, e agora, me diga onde eu vou
Amiga, me diga...

Composição de N. Siqueira e Ezequiel Neves.

Beijos!

sábado, 29 de maio de 2010

Happy hour

Eu ando bem agoniada com o fator tempo. Estou fazendo uma pós-graduação que toma boa parte das minhas noites. Agora estou fazendo três disciplinas, e cada uma delas passa um trabalho por semana. Cada trabalho indica três ou quatro referências bibliográficas básicas e como não faço "serviço de porco", sempre procuro outros textos pra embasar minhas opiniões no que escrevo. E isso não tem sido fácil. Mas precisa ser feito. Para isso, deixei de lado os trabalhos da minha empresa e tenho levado alguns livros pro trabalho, pra na hora do descanso "carregar um pouquinho de pedras". Deixei pela metade alguns livros que estava lendo: O primeiro teço, de Neal Cassady; e o On the road, de Jack Kerouac; além de outros dois de Rubem Fonseca, mas como um deles é de contos, antes de dormir eu sempre leio um continho.

Mas... sabe de uma coisa que eu não abro mão? De sair com minhas amigas. Sabe por que? Porque elas me devolvem a sanidade mental, porque a gente ri, bebe e fala bobagem, porque a gente xinga quem a gente quer, confessamos nossos pecados sem o juízo alheio (principalmente o masculino!), porque somos e estamos inteiras ali, umas para as outras. E eu amo e valorizo muito isso. Valorizo porque minhas amigas são verdadeiras comigo, até quando não reparam que eu emagreci, mas levam chocolates para que eu fique bem. :D





Isso aí no meu copo é fogo... porque eu bebo e o fogo não apaga. ;)

Beijos. Bom domingo! 

sexta-feira, 28 de maio de 2010

:(

Eu tenho a impressão qua a minha vida é agridoce. As pernas doem e eu não posso parar de caminhar... O coração para e e o sangue prossegue correndo. Como pode?
Hoje fiquei assustada com o choro da minha mãe ao telefone. Por que as pessoas que a gente ama sofrem? Por que não consigo proteger meus pais, meus irmãos e meus irmãos?
Não sei. É assim.

Eu sei o que vocês fizeram na sexta-feira passada!

Melaninas na Night curtindo Farofa Carioca e Samba Groove
Na foto eu, Alexia e Pixaim, além dos menins do Farofa Carioca :D
Amanhã vou sair pra comemorar a vida com "a casa das sete mulheres": eu, Lai, Dé, Dricat, Kissu, Clarinha e Queline. :D

Como seria?




Fonte

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Judia de mim!



Gente... quem conhece este blog sabe que eu nem faço posts sobre bonitões... mas olha a cara do Johnny Depp de quem faz tanta maldade nessa vida com as pobres coitadinhas das mulheres... Afffff... fiquei sem ar... nem quero pensar que ele é um senhor de 46 anos de muito respeito (ou não)... com essa cara de menino  muito mau........... (ai ai ai).... só de olhar ele já malina di mim... rs... Por que na vida real a gente não encontra uns desses perdidos por aí, hein? ô mundo cruel! mundo injusto!
Mulherada e bicharada que quiser ver os quarentões mais bonitos do cinema, vem comigo...

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Lido e lindo de hoje

Foi de lá que eu tirei essas imagens inspiradoras e bacanas que ilustram este post.
Parei de ler o blog com vontade de aprender a cozinhar DE VERDADE, comprar flores, abrir um vinho, colocar uma musiquinha pra rolar, acender um aromatizador com cheirinho de baunilha e chamar as amigas pra rir e fofocar...
além de trocar de mesa de jantar... a minha está um vexame.
Aproveite a vida!

terça-feira, 25 de maio de 2010

eu quero comer a vida de colherada...

Ontem fiz brigadeiro de colher, e ficou delicioso. Pena que é sempre pouco. Pena que as coisas que realmente valem a pena e são gostosas na vida acabam.
Acabam porque tem que acabar. Acho que só Deus se diverte pra sempre. Porque Ele é Deus, e eu acredito que nele mora a felicidade. Eu estou triste, e isso não significa que não sou feliz, que não estou feliz. Não é isso. E pela primeira vez essa convivência de tristeza e felicidade na mesma pessoa faz sentido. Eu faço sentido sozinha ou acompanhada porque sou uma pessoa inteira. E ser inteira também tem feito muito sentido.
Kissu me mandou um email estranhando o clima do blog. Espero que ela já tenha entendido. Pra bom entendedor meia palavra basta, diz o ditado. Para Queline eu tive que ligar e contar, porque ela me faz pensar com um pouco mais de calma. Ta bem, as vezes ela me desespera também. Mesmo assim conto as coisas pra ela. As demais, saberão no próximo open house, entre uma caipirinha e outra... afinal a vida é assim. Uma hora a gente ri e bebe, outra a gente chora e bebe. Só o que não tem gosto que a gente engole "a seco".
Boa terça-feira.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Acontece...

"Acontece que meu coração ficou frio...
e o nosso ninho de amor está vazio.
Se eu ainda pudesse fingir que te amo...
Ah... se eu pudesse!"
Acontece - Cartola

Por que alguém se casa?





Se você me perguntasse há pouco mais de três anos atrás eu teria todas as respostas na ponta da língua, assim como argumentos tão favoráreis que faria qualquer incrédulo na vida a dois bambear em sua fé. Hoje eu não sei mais.
A solidão continuou, a família que eu sempre sonhei não existiu. Pra quê, então? Pra passar por uma experiência frustrada e vir aqui me expor? Pra chamar a atenção de alguém? Pra ter carinho? Pra fazer alguém feliz? Pra que?
Lendo o blog da Elenita, do BBB 10, ela coloca o trecho de um diálogo extraído de um filme que tentar explicar isso, e a conversa diz que as pessoas se casam "Porque precisamos de alguém que testemunhe nossa vida. Com bilhões de pessoas no planeta o que a vida de alguém significa? Mas no casamento você promete cuidar de tudo. As coisas boas, as ruins, as terríveis. As coisas mundanas... Tudo isso, o tempo todo, todos os dias. Você está dizendo: "sua vida não passará despercebida, porque eu vou perceber. Sua vida não passará sem testemunho, porque eu serei sua testemunha.""
E quando você casa e ainda assim ninguém está te olhando? E quando a sua gripe, que já dura uma semana, só é percebida porque, com o entupimento do seu nariz, você acordou engasgando, e a pessoa te sacode pedindo pra você "parar de roncar"?
Só pra refletir... Eu nunca vou parar de sonhar, porque os sonhos são meus. E eu continuo, sempre. Só, e ainda assim muito bem acompanhada.
Tenha uma boa semana.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Pudim



Chega de "meios-prazeres"! :D Desbunde e gozo já! Tenham uma linda sexta-feira!!!
"Não há nada que me deixe mais frustrada do que pedir pudim de sobremesa, contar os minutos até ele chegar e aí ver o garçom colocar na minha frente um pedacinho minúsculo do meu pudim preferido. Um só. Quanto mais sofisticado o restaurante, menor a porção da sobremesa. Aí a vontade que dá é de passar numa loja de conveniência, comprar um pudim bem cremoso e saborear em casa com direito a repetir quantas vezes a gente quiser, sem pensar em calorias, boas maneiras ou moderação.

O pudim é só um exemplo do que tem sido nosso cotidiano. A vida anda cheia de meias porções, de prazeres meia-boca, de aventuras pela metade. A gente sai pra jantar, mas come pouco. Vai à festa de casamento, mas resiste aos bombons. Conquista a chamada liberdade sexual, mas tem que fingir que é difícil (a imensa maioria das mulheres continua com pavor de ser rotulada de 'fácil'). Adora tomar um banho demorado, mas se contém pra não desperdiçar os recursos do planeta. Quer beijar aquele cara 20 anos mais novo, mas tem medo de fazer papel ridículo. Tem vontade de ficar em casa vendo um DVD, esparramada no sofá, mas se obriga a ir malhar. E por aí vai. Tantos deveres, tanta preocupação em 'acertar', tanto empenho em passar na vida sem pegar recuperação... Aí a vida vai ficando sem tempero, politicamente correta e existencialmente sem-graça, enquanto a gente vai ficando melancolicamente sem tesão... Às vezes dá vontade de fazer tudo 'errado'. Deixar de lado a régua, o compasso, a bússola, a balança e os 10 mandamentos. Ser ridícula, inadequada, incoerente e não estar nem aí pro que dizem e o que pensam a nosso respeito. Recusar prazeres incompletos e meias porções. Até Santo Agostinho, que foi santo, uma vez se rebelou e disse uma frase mais ou menos assim: 'Deus, dai-me continência e castidade, mas não agora'... Nós, que não aspiramos à santidade e estamos aqui de passagem, podemos (devemos?) desejar vários pedaços de pudim, bombons de muitos sabores, vários beijos bem dados, a água batendo sem pressa no corpo, o coração saciado. Um dia a gente cria juízo.

Um dia. Não tem que ser agora. Por isso, garçom, por favor, me traga: um pudim inteiro, um sofá pra eu ver 10 episódios do 'Sex and the City', uma caixa de trufas bem macias e o Josh Holloway, nu, embrulhado pra presente. OK? Não necessariamente nessa ordem. Depois a gente vê como é que faz pra consertar o estrago."


(autor desconhecido)
Mas tirei o texto do blog Rainhas do Lar.

Minhas músicas :D

Achei este questionário no fofo blog da portuguesa Hazel, o Casa Claridade, e achei que seria a minha cara respondê-lo. Será que eu consigo? Está com um português um pouco diferente porque (imagino) foi elaborada por algum irmão das terrinhas d'além-mar. Resolvi não "abrasileirar" porque o português de Portugal é um charme, né? :D
Quero, antes, destacar que tal exercício para mim é deveras difícil, uma vez que esta minha mania de ver o "todo" vai me fazer colocar aqui álbuns inteiros, ok? Não estranhem também de ver muita música "antiga", e muita, mas muita música brasileira. Ok? Clique no nome da canção para ler a letra.
Vamos lá!
  1. A tua canção favorita: impossível responder. Próximo item!
  2. A tua canção menos favorita: os funks nacionais que reduzem a mulher a um produto, a um parque sexual de diversões.
  3. Uma canção que te põe feliz: A praieira, do Chico Science e Nação Zumbi.
  4. Uma canção que te põe triste: A resposta do item 3 também vale para esta pergunta.
  5. Uma canção que te lembra alguém: da memória recente? Nega do cabelo duro, versão Planet Hemp, me lembra outro portuga: o Hugo Folgado. Num corpo só também me lembra ele.
  6. Uma canção que te lembra de um lugar: tantas me lembram tantos lugares... mas chegar ao Geni e ouvir Deixa, da Cláudia, foi perfeito... foi prenúncio de uma noite MARA! Então "Deixa" ficou como a música que me lembra o Geni.
  7. Uma canção que te lembra de um determinado aocntecimento: Tudo novo de novo, do Paulinho Moska, lembra a conquista do meu diploma de graduação.
  8. Uma canção que te faz dançar: Já pedi pra você parar, da Paula Lima, versão "ao vivo".
  9. Uma canção que te faz adormecer: Nenhuma. Não consigo dormir com música rolando. Mas uma que me relaxa pra dormir é Baby, i'm a fool, da Melody Gardot. Aqui neste post eu já havia colocado o vídeo desta música.
  10. Uma canção da tua banda favorita: Love foolosophy, do Jamiroquai. Aliás, o álbum "High Times" inteiro desta banda!
  11. Uma canção que ninguém esperaria que gostasses: hahaha Esta eu descobri ontem. Minha hermana Alexia tava la em casa ontem quando eu coloquei um pagodinho para tocar. É você, do Exaltasamba.
  12. Uma canção que te descreve: Que eu consigo lembrar são duas: Hand in my pocket, da Alinis Morissete, e Traduzir-se, do Fagner e Ferreira Gullar. Além de muitas ouras.
  13. Uma canção do teu álbum favorito: Nothing Even Matters, da Lauryn Hill em seu disco The miseducation of Lauryn Hill.
  14. Uma canção que ouves quando está zangada: Quando eu estou zangada eu escuto tudo que eu tiver da Janis Joplin... mas é só escutar aquela risadinha dela que eu esqueço a raiva. Masss... escolho Just a little bit harder.
  15. Uma canção que ouves quando está feliz: Canned Heat, do Jamiroquai. A letra não é muito "religiosamente" correta para as minhas crenças, mas eu gosto dela mesmo assim.
  16. Uma canção que ouves quando estás triste: Quando eu estou triste escuto coisas que entrem em sintonia. Sensível demais, com a Nalanda, é uma delas. Apesar de achar esta música muito linda. Eu choro com um pouco mais de estilo quando escuto Precious, da Esperanza Spalding.
  17. Uma canção que queres que toque no teu casamento: Já casei, e me realizei quando meu marido e meu amigo Cadu tocaram "Rosa" do Pixinguinha para a minha antrada na cerimônia, ao lado do meu pai. Foi uma das coisas mais lindas e emocionantes que ouvi na vida. Se eu casasse de novo seria temático: só iria rolar Stevie Wonder! As, My cherie amour, Sunshine of my life, Isn't she lovely, Signed, sealed, delivered... todas!
  18. Uma canção que queres que toque no teu funeral: Nenhuma. Morte é silêncio.
  19. Uma canção que te faz rir: Não enche, Caetano Veloso
  20. A tua canção favorita deste último ano: Eu a descobri ano passado, mas está entre as favoritas: Vou deixar, Paula Lima.
E as suas, quais são?
Beijos

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Socorro!

"Socorro, alguém me dê um coração
Que esse já não bate, nem apanha
(...)
Socorro, alguma rua que me dê sentido
Em qualquer cruzamento, acostamento, encruzilhada..."
Composição: Arnaldo Antunes/Alice Ruiz

quarta-feira, 19 de maio de 2010

a busca do prazer

Acho que a coisa mais deliciosa que EU FAÇO PARA MIM MESMA, depois de tomar um banho relaxante e lavar o cabelo, é ler! Meu Deus, como eu AMO ler!
Lembra do post que eu falei sobre o "Comer, Rezar e Amar"? Achei ele no Google Livros... e o tempo tá passando tão depressa! Parece que estou vendo a autora, minha xará, contar a história dela para mim. Aliás... em alguns trechos do livro eu mesma me imagino vivenciando (porque eu realmente estou vivenciando algumas coisas dali).
Que delícia!

E é só você voltar pra me encher, me paralisar...

O que seriam dos encontros e desencontros se não fosse essa coisa chocante de se conhecer e se marcar?
Caetano definiu bem:
"A tua presença
Entra pelos sete buracos da minha cabeça
A tua presença
Pelos olhos, boca, narinas e orelhas
A tua presença
Paralisa meu momento em que tudo começa
A tua presença
Desintegra e atualiza a minha presença
A tua presença
Envolve meu tronco, meus braços e minhas pernas
A tua presença
É branca verde, vermelha azul e amarela
A tua presença
É negra, negra, negra
Negra, negra, negra
A tua presença
Transborda pelas portas e pelas janelas
A tua presença
Silencia os automóveis e as motocicletas
A tua presença
Se espalha no campo derrubando as cercas
A tua presença
É tudo que se come, tudo que se reza
A tua presença
Coagula o jorro da noite sangrenta
A tua presença é a coisa mais bonita em toda a natureza
A tua presença
Mantém sempre teso o arco da promessa
A tua presença
Morena, morena, morena
Morena, morena, morena
Morena"
Caetano Veloso, em 'A tua presença morena'. A versão da Bethânia é de arrepiar!

terça-feira, 18 de maio de 2010

Os Gêmeos - Vertigem






Domingo passado fiz um programa muito bacana: fui ver a exposição "Vertigem", d'Os Gêmeos, aqueles caras do grafite, no CCBB Brasília. Minha intenção aqui não é fazer uma matéria. Nahima Maciel, do Correio Brasiliense, já fez isto, com muita propriedade. Clica aqui pra ver, tem até vídeo e entrevista. Daqui do trampo nem deu pra eu ver o vídeo, mas assim que eu chegar em casa vou conferir.
Eu vim dizer o que me marcou. Como já disse aqui antes, não entendo muito de artes plásticas, mas acredito que a arte deve falar algo ao seu expectador, ao seu ouvinte, ao seu vivenciador. Porque a arte que me toca acaba fazendo com que eu a vivencie. Eu já tinha ouvido falar deles e sabia que a exposição estava aqui em Brasília, mas não me empolguei muito a ir, até que maridex foi e voltou maravilhado, dizendo que eu tinha que ver aquilo. Por isso no domingo me arrumei e fui. Estava uma bela manhã de sol, propícia para este tipo de programa. Achei que eu ia chegar lá e ver um monte de paredes grafitadas. Ledo engano.
Eu coloquei aí em cima o que mais me chamou a atenção, sendo que as imagens todas foram caçadas na web, e os créditos estão abaixo.
  1. A primeira imagem, a parede, realmente provoca uma sensação de tontura, de vertigem... parece que a parede avança sobre você, parece que está caindo. É uma sensação bem diferente, e estranha, e gostosa ao mesmo tempo;
  2. Dentre as imagens da parede, duas me chamaram muita atenção. A primeira foi uma que me identifiquei muito: era uma mulher de costas, com o rosto virado pra frente, com lindos cabelos avermelhados, suspensos para o ar. Entre seus cabelos haviam várias outras cabeças entrelaçadas. E eu me identifiquei muito com isso. Quantas mulheres cabem em uma só? Outra que me chamou a atenção foi a mulher reclinada sobre o encosto da cadeira, também com cabelos avermelhados. Na hora que a vi lembrei da bela canção "De onde vens", parceria de Dori Caymmi com Nelson Motta, cuja letra está abaixo. Era uma linda mulher, com um apelo sexual forte devido à sua aparente nudez, e suas botas de salto e cano alto. Senti muita melancolia no seu olhar, senti sua solidão. Que ironia, não é? Uma bela mulher... porém solitária. Me identifiquei com ela também;
  3. A terceira coisa que me fisgou foram as inúmeras cabeças: sobre carros, penduradas, impressas em cubos, em todos os lugares haviam cabeças. As maiores tinham uma coisa ainda mais curiosa: as orelhas eram janelas antigas. E é exatamente desta forma que eu me relaciono com os sons! Os ouvidos são janelas de onde "enxergo" e percebo o mundo, o recebo e envio comandos para que o meu cérebro processe. As vezes meus ouvidos são mais importantes que qualquer outro sentido. Por isso essa minha "sintonia afinada" com a música, com as vozes. Sobre um carro, uma cabeça "aberta": na parte frontal, por trás do rosto, inúmeros rádios e relógios antigos; na parte "interna" da mente, inpumeros espelhos. Seria uma tentativa de estabelecer um contraponto entre o antigo e o novo convivendo no mesmo espaço? Não sei. Foi assim que vi.Existe o certo e o errado na percepção individual da arte?
Bem, por enquanto é só. A exposição no CCBB Brasília vai até dia 25 de Maio. Maiores informações aqui.

De Onde Vens

Composição: Dori Caymmi / Nelson Motta

Ah, quanta dor vejo em teus olhos
Tanto pranto em teu sorriso
Tão vazias as tuas mãos
De onde vens assim cansada
De que dor, de qual distância
De que terras,de que mar
Só quem partiu pode voltar
E eu voltei prá te contar
Dos caminhos onde andei
Fiz do riso amargo pranto
No olhar sempre teus olhos
No peito aberto uma canção
Se eu pudesse de repente te mostrar meu coração
Saberias num momento quanta dor há dentro dele
Dor de amor quando não passa
É porque o amor valeu


Crédito das imagens:

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Emagreci :D

Estou me tornando uma mulher evoluida.
Estava doida pra comer um monte de bobagens, acho que foi por causa da imagem do posto anterior... Estava aqui sonhando com uma taça de sorvete com bastante calda, oi biscoitos Negresco (amo!), balinhas de gelatina, pudim (comi um pouquinho de sobremesa)... fui ali e comi uma salada e fruta enorme. Sem leite condensado, Sem mais nada. Só a natureza :D
Viva a ditadura da magreza!!! hahaha E eu, do alto dos meus "menos de oitenta quilos". Graças a Deus! Em janeiro pesei 84 quilos. E me senti um lixo.
Agora tô me sentindo linda. Perdi uns quilinhos, e ouvi uns elogios. Ô coisa boa é ser elogiada. Não perca tempo, elogie você também! kkkk Pode ser a mim, ou a qualquer pessoa. Pare de guardar o que você pensa de bom sobre as pessoas e as coisas. Largue esse bico ranzinza e espalhe sorrisos por aí.
Beijos

Ou isto ou aquilo...



Não sei desde quando conheço estes versinhos abaixo, mas sei que tem sabor de infância. Sempre achei que quando eu crescesse as decisões seriam tomadas mais facilmendte. Ledo engano. Estou neste exato momento entre um "isto" e um "aquilo". Melhor deixar para a vida, a sorte, o destino, e acima de tudo, Deus, decidirem meu rumo. Né?
Ou isto ou aquilo

Cecília Meireles

Ou se tem chuva e não se tem sol,
ou se tem sol e não se tem chuva!
Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!
Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.
É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo nos dois lugares!
Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.
Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo...
e vivo escolhendo o dia inteiro!
Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranqüilo.
Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Ou isto ou aquilo, Editora Nova Fronteira, 1990 - Rio de Janeiro, Brasil

"falar sobre a vida pessoal nas redes sociais pode fazer bem"

Achei muito curiosa esta reportagem que recebi no meu email hoje: O Facebook é uma terapia.
Prova que existe sim um uso bacana das redes sociais. A autora pira em alguns aspectos (por exemplo quando diz que você não pode contar com seus amigos quando seu carro quebra em plena Marginal Tietê - e as redes sociais não tem este objetivo MESMO!), mas a matéria coloca uma coisa bacana: as redes servem de pontes entre as "ilhas" que são os seres humanos, e faz com que as pessoas exteriorizem e compartilhem sentimentos de forma como não fariam na vida "real". 
Eu sou fã de redes sociais. Sou suspeita pra falar.
Boa segunda-feira.
Beijos!

Ai de mim que sou românticaaaa...

Tenho andado tão romântica. (Ou será que estou apenas me re-descobrindo?). Não sei... mas já tô sonhando com minha casa nova. (E depois eu falo disso). Se eu pudesse decorá-la hoje, haveria tanto rosa, que era capaz de enjoar em dois dias. Olha só como o romantismo iria invadir a casa:

No quarto... é claro!

Não sei o que estas crianças fazem na beirinha da foto. XÔ!

Na cozinha e na sala de jantar:


No closet:












































Nos simples e pequenos detalhes:  
























































No exterior da casa:
Na sala:
E até no banheiro!!!
Lindo, né? Queria taaaanto uma vida mais cor de rosa! Tenha uma semana linda, doce, cheia de paz e amor. Um pouco de romance não faz mal a ninguém. Beijos.

P.S.: Ta vendo???? Eu não iria aguentar uma semana essa doçura toda!!! já to irritada com essas merdas de imagens porque nao consigo colocar de um jeito que fique decente no blog sem esse tanto de espaço entre uma e outra. :p

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Try a little tenderness...

Tá frio? Aqui sim, bastante. Mas é culpa do ar condicionado. Aí... a minha mente voa, e imagina outra situação... um amor e uma lareira. Liga uma musiquinha, fecha a cortina...
Tirei as imagens daqui, daqui e daqui.
Beijos!

terça-feira, 11 de maio de 2010

Desligue nossos celulares... três dias pra um começo... vem!











Nunca mais falei aqui sobre decoração, né? Maaaas, como hoje o clima tá luxo pra ficar na cama... teria lindamente uma cama com dossel. Acho tão sensual, tão sugestiva... Mas só teria se morasse num lugar de clima frio. Quem sabe um dia não me mudo para um lugar cujo clima comporte? Lá em Manaus, o mais perto que se chega desse visual é uma cama com um cortinado pra espantar as carapanãs!
As fotos estão fora de ordem, então ignore estas numerações abaixo:d
Foto 7 (minha favorita)
Tem uma dessas? Tá em casa? Bota essa musiquinha aí de baixo pra inspirar, chama uma costela quentinha... Se joga! :D
Vem
Que eu sei que você tem vontade
Que eu sei que você tem saudade de mim
Antes que haja enfermidade
Que eu não me recupere

Mas
Se decidir fazer surpresa
Deixei as chaves embaixo do xaxim
Comprei os doces que devoras
Acho que agora não vais resistir

Um espelho pra sua vaidade
Dossel, pena de ganso
É quase um romance
Desligue nossos celulares
Três dias pra um começo, vem

Vem
Eu sei que você tem vontade
Eu sei que você tem saudade de mim
Antes que haja enfermidade
Que eu me desespere
Beijos

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...