segunda-feira, 1 de março de 2010

Onde ir

Olá! Não sei por aí, mas aqui em Brasília a segunda-feira amanheceu linda, azul, ensolarada e não muito quente... Não sei se é meu estado de cansaço, mas o dia está me parecendo tão doce hoje... Sabe quando a melancolia se junta ao sono, e você acha que tudo ao seu redor está sereno, tranquilo...? Aqui no meu trabalho o clima também está assim: uma moleza com cara de segunda. Totalmente diferente do meu final de semana "corra, lola, corra"... Se bem que foi mais para "corra, porra louca".
No sábado a Organella realizou um "declutter" em um dos clientes, e o dia foi bastante puxado. O dia foi assim: corre pra lá, deixa marido no trabalho, vai à papelaria, deixa a compra no cliente, busca Dricat, pega a Brendinha, deixa Dé em casa, pega marido no trampo, leva Dricat... ufa! Quando eu cheguei em casa tive tempo para um cochilo e depois fiquei trabalhando no relatório do que fizemos, e no levantamento de preços e especificações das coisas que a empresa precisa adquirir agora. Eu sei que no início é assim: a gente trabalha, vive, come, respira o empreendimento.
No domingo, não sei por que "cargas d'água" eu perdi a hora de acordar e acabei correndo igual uma louca para conseguir entrar na prova de concurso da Terracap. O mais constrangedor é ter que contar com a solidariedade dos simpáticos vendedores de água, canetas, chocolates e outros itens, que ficam gritando coisas tipo "corre senão vai fechar" ou "vai lá, garota, você consegue!" e ainda "moço, lá vem uma correndo... não fecha não!". E nessa hora você pensa: ainda bem que estou correndo e passando tão rápido que ninguém vai ver minha cara de esbaforida!
O importante é que eu consegui entrar, e fiz uma prova razoável. Vou corrigir o gabarito daqui ha pouco.
Bem, é isso.
Beijos pra vocês!
Eu não sei o que vi aqui
Eu não sei prá onde ir
Eu não sei por que moro ali
Eu não sei por que estou

Eu não sei prá onde a gente vai
Andando pelo mundo
Eu não sei prá onde o mundo vai
Nesse breu vou sem rumo

Só sei que o mundo vai de lá prá cá
Andando por ali, por acolá
Querendo ver o sol que não chega
Querendo ter alguém que não vem.

Cada um sabe dos gostos que tem
Suas escolhas suas flores, seus jardins
De que adianta a espera de alguem
O mundo todo reside dentro em mim

Cada um pode com a força que tem
Na leveza e na doçura de ser feliz
Onde ir - Vanessa da Mata

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...