quarta-feira, 17 de março de 2010

Fim de semana no Rio Grande do Sul

Oie!
Tudo bem? Nos últimos dias fiquei com a cabeça meio doida, mas já estou voltando ao eixo semi-normal de sempre... Deve ser por causa desse meu jeito meio "Cazuza" de ser muito exagerada em tudo (sobre isso falo no fim deste post, e também no próximo post). A vida tem que andar, né minha gente?
Vim aqui pra contar como foi meu fim de semana no Rio Grande do Sul, lugar que desejava conhecer desde a minissérie "Casa das Sete Mulheres" (e mais uma vez a minha fantasia se frustrou e eu não consegui achar muitas semelhanças entre o real e o imaginário). Aviso logo que não tirei quase nenhuma foto porque foi tudo muito corrido. Escolhi vôos péssimos que não me deixaram descansar ou ver nada. Mas em maio estarei de volta ao Pampa e trarei fotitas.
Peguei o vôo das 10h da manhã e bati um papo muito revelador com um treinador físico, onde conversamos sobre esse lance da leitura que se pode obter das pessoas através da sua grafia, da sua postura, da sua forma de vestir, do seu temperamento e seus hábitos. Cheguei em Porto Alegre às 14h do dia 12, acompanhada da Keity, uma colega que eu não conhecia muito mas que se revelou uma ótima companhia de viagem. Só conseguimos embarcar para Cruz Alta (nosso destino) no ônibus das 19h. E daí vimos pouca coisa do caminho. Primeiro porque a escuridão não deixou, segundo porque eu fui quase toda a viagem conversando com um senhor muito simpático e deveras inteligente, que me falou de coisas interessantíssimas a respeito de combinação de temperamentos e personalidades diferentes num ambiente organizacional competitivo a fim de obter excelência em resultados. Começamos o papo falando de mapas mentais e sistemas complexos, e se estivessemos falando alto aposto que teriamos escutado um "pssiiiiuuu" por causa do nível do papo noite a dentro. kkkkkk Foi engraçado conversar sobre isso. O cara era "cabeção". rs...
Só reparei na paisagem na janela ao chegar numa cidade chamada "Tapera", que se arrumou toda para a páscoa, com direito a coelhinhos espalhados pelos jardins da cidade e patinhas pintadas no asfalto. Reparei que as casinhas são tão diferentes das que eu ja vi.. algumas tem um estilinho tão "de interior", outras parecem meio européias... Um charme!
Em Cruz Alta chegamos 1h da manhã e fomos direto para o hotel. De manhã conhecemos os colegas do curso (fui para começar uma pós-graduação e estarei em Cruz uma vez a cada dois meses), e almoçamos uma comida DELICIOSA no clube do Internacional. Depois do almoço, voltando para Porto Alegre, pude avistar as lindas paisagens do caminho, as casas cor-de-rosa e verde-vivo. Nem sei se isso é nome de cor, mas era lindo de se ver!. Me emocionou uma casa na beira da curva da estrada cuja fachada do fundo era uma enorme varanda de frente para as montanhas e o vale. Lindo! Desta casa eu vou tirar uma foto em maio. Juro!
No sábado a noite, já na capital gaucha, meu amigo Daniel Vargas, que eu não via desde 2005, veio me buscar no hotel e fomos juntos para um show que ele ia tocar, um Tributo ao Cazuza. Eu me diverti demais, adorei. Eu sempre me identifiquei muuuuuito com as coisas que o Cazuza cantava, em especial com "Exagerado, jogado aos seus pés, eu sou mesmo exagerado.... Adoro um amor inventado!" e com uma das minhas favoritas, que é "Beth Balanço" (inclusive já falei disso neste post).
 
Na manhã seguinte, eu e Keity fomos andando do hotel ao Brique da Redenção, uma feirinha de artesanato hiper simpática, e pela primeira eu percebi o quanto Porto Alegre é uma cidade charmosa e plural. Na feira encontramos artesanato, antiguidades, comidinhas, muita gente passeando com suas crianças e seus cães, grupos de índios cantando, um quarteto de blue grass, um grupo de capoeira, palhaços, esportistas de fim de semana... enfim... charme! Achei aqui um post fofíssimo sobre o Brique, com direito a fotos!
Bem foi isso... no aeroporto, hora de retornar, a Keity avistou de londe o rapper brasileiro MV BILL (meus respeitos! que pretinho!) e foi lá tirar foto com ele, e eu voltei conversando (como sempre) com uma moça que estava em extase de paixão por um israelense que ela conhecia há oito anos e só agora teve oportunidade de "concretizar" as emoções guardadas. Bela história a dela!
A vida é isso aí... feita de boas histórias e lembranças... as vezes eu acho que é só isso mesmo!
Coloco fotinhas depois. Beijos!

2 comentários:

Pixaim disse...

Fico cá com meus botões imaginando você conversando com o povo!!! Também sou assim... tenho que aprender me controlar... Quanto as lembranças...Acredite, NÃO É SÓ ISSO!!! Mas se dê a oportunidade de que não seja só isso... Não se boicote!

Bjossssssss

. disse...

Oi, tudo bom? Acho que sim né?
Também tenho maior desejo de conhecer os "Pampas". Não somente pelo lado meio europeu, que lá se faz influente, como também o clima e as paisagens belíssimas que lá se encontram.
Tenho até uma certa "inveja" de você. (mas uma inveja gostosa, pois é hoje, raro encontrar alguém que possamos dialogar e debater idéias e argumentos como você teve o prazer e previlégio de ter.) No entanto porém, digo: Seu blog consegue, a través de suas palavras, nos fazer viver momentos, situações que no fundo, ainda só remotam no nosso pensamento. Nos nossos sonhos.
Um abraço fraterno e um beijo carinho, daqui, das MInas Gerais.
Sir.'.Robson.'.Vieira

Aplicada a conhecer e entender de Cinema

Então... há algum tempo eu ando incomodada com o meu pouco conhecimento sobre cinema aliada a uma péssima memória dos filmes que assisto. Co...