quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Falando com o Papai do Céu

Oiê Papai do Céu!
Hoje eu provoquei um pequenino fuzuê no trânsito de Brasília: bati a frente do meu carro na traseira do carro de um senhorzinho inocente que nada tinha a ver com a minha lerdesa (com z ou com s?) natural. Você viu, né Papai? Eu sei. Você estava lá e não o mocinho gritasse comigo ou que me xingasse todinha dos pés à cabeça (pelo menos não na minha frente, o que me deixou conduzir a coisa com a calma que eu precisava). Quero agradecer por isso, porque poderia ter sido muito pior. Quero agradecer porque eu tenho um emprego que vai me permitir pagar os prejuízos que causei. Quero agradecer por ter enviado a Deborinha, que foi uma anjinha e me ajudou a pensar com clareza e resolver o problema com certa facilidade.
Maaaasss... como sou humana, pidona, e sempre quero o melhor, aí vão meus pedidos:

  1. Não permita que o concerto do carrro dele fique caro;

  2. Não permita que o concerto do meu carro fique caro;

  3. Não permita que eu bata o carro novamente;

  4. Me dá um comprador bonzinho para o meu carro?

  5. Me dá um carro zerinho da concessionária?

  6. Me dá dinheiro pra pagar um carro zerinho? 

  7. Me dá dinheiro pra eu comprar um carro só meu (mas só meu MESMO)?
Nem precisa ser aquele carrão dos sonhos de consumo, pode ser um carro pop mesmo, mas precisa ser novo (daqueles que dá gosto de lavar toda semana). Sei que eu nem tô merecendo lá grandes coisas... mas pedir não ofende, né?
Muito obrigada por tudo, mais uma vez.
Beth

2 comentários:

Edna Vilas Boas disse...

EBAAAAAA SENHORITA!!


É NOIS NA FITA
KKKKK
VAMOS ESTUDAR E DE GRAÇA!!

NOSSAAAAA
PARABENS

Pixaim disse...

Meninaaaaa.... que coisa chata!
Espero que tenha sido a primeira vez!
Eu não sou muito referência pra batida, pois com mingau foram 7. Dessas 4 em apenas 2 meses. Tenha fé... o conserto não vai ficar caro não, a não ser que vc tenha batido num desses carrões de "tiozão" tipo BMW ou coisa parecida!
Vamos orar para seu carrão zero chegar logo!

Bjos

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...