terça-feira, 22 de dezembro de 2009

natal, compras, Goiânia

De verdade? Eu detesto passar o Natal em Brasília. Odeio não estar perto dos meus queridos parentes manauaras. Fico triste, choro com as matérias jornalísticas de fim de ano (quem viu o Fantástico do domingo passado sabe do que estou falando), acho tudo um tédio sem fim. A única coisa que acontece em Brasília esta época são as chuvas com hora marcada... e em janeiro piora. Fui criada acostumada com casa cheia, um Natal para cerca de 50 pessoas na casa da minha vovozinha... E este ano passarei mais um natal sem graça. Ai que saco!  Estou irritada porque não terei recesso de fim de ano no trabalho. Enfim... este mês de dezembro tá de lascar!
Todo mundo cansa de avisar que não se deve deixar as compras de natal para a última hora... No último fim de semana eu fui até Goiânia, cidade que fica há duas horas da minha casa, a convite dos meus amigos Queline e Walney, a fim de verificar preços de salas de jantar (para comprar apenas no ano que vem, na época de liquidações, né benhê?) e aproveitei para ver preços de outros itens decorativos como plantas (artificiais! Cansei de matar de sede plantinhas indefesas), vasos e outros objetos de decoração. Para quem está em Brasília, vale uma visitinha em Janeiro, época de promoções. Os preços lá valem a pena para quem não precisar pagar frete do que for comprado. A rua Jamel Cecílio é um bom ponto para quem quer ver lojinhas de móveis e objetoss. Mas, quem quer mandar fazer os móveis e ter aquele precinho direto da fábrica é bom dar uma pesquisada no Jardim Guanabara.
Aprendi tudo isso num sábado. Viu, Queline, como sou esperta? rs... E para quem se amarra numa feira, não pode perder o sábado na Feira da Lua. Lá tem muita coisinha legal para a casa e para a pessoa, mas o forte mesmo são os adereços pessoais. Era o último sábado antes do Natal, a feira estava LOTADA e o sol estava de rachar. Ou seja: fiquei zonzinha e praticamente não aproveitei. Voltarei. Com certeza.
Um beijo!

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...