domingo, 18 de outubro de 2009

Livros, filmes, pessoas, músicas e memórias

Dia desses, organizando um dos armários de livros e textos, tentando separar algumas coisas minhas das coisas do maridex, achei uma agenda velha, do ano 2000, ano que cheguei em Brasília. Eu me lembro que naquela época eu não tinha computador, nao tinha email, blog, flog, orkut, nem nada disso... Nem sabia se tudo isso era "de comer".

Me lembro ainda que a minha única preocupação com aquela agenda era desabafar, e anotar todos os fatos e sensações que eu julgasse importantes. Resultado: tenho um registro hilário, e as vezes, comovente dos meus primeiros dias no cerrado. A saudade de casa e dos amigos, a solidão, a primeira vez que conversei com alguém que foi ou que ainda é importante, a primeira viagem pra SP (que não foi para a minha amada capital, e sim para Votorantim / Sorocaba), o dia que recebi o resultado do vestibular que prestei (e passei!) para o curso de Música, as primeiras aulas, os primeiros colegas. Lembro que eu colava em algumas pessoas (sempre fui de "forçar a amizade" pra sobreviver) e que a "cola" valeu muito a pena, seja por ter feito grandes amigos, seja por ter simplesmente me divertido alguns momentos.

E a agenda parecia o meu primeiro blog, onde eu desabafava, falava sobre coisas e pessoas do meu cotidiano... era praticamente um relicário. Pensei em recuperar isso, porque vi que, com o tempo, eu fico muito feliz em reler estas memórias. Eu jurooooo que estou morrendo de vontade de vir aqui neste blog e despejar meio mundo de coisas que me acontecem, mas a quem interessaria? Sem falar que, depois de uma certa idade, certas coisas ficam impublicáveis, não é? Bem, resolvi fazer isso em outro lugar virtual.

Bem, era só isso... e se eu puder dar um conselho... nada melhor do que folhear uma agenda velha, e ver que todos os seus problemas sem solução acharam uma solução... Quanto à mim, posso citar a Bíblia quando diz que "o pardal encontrou casa e a andorinha ninho para si..." E foi mais ou menos o que aconteceu comigo, depois de quase dez anos.

Na semana passada eu iria para São Paulo na quinta. De sisti da viagem poucas horas antes de viajar. Durante toda a organização da ida eu senti que todas as coisas (hospedagem, principalmente) estavam muito "amarradas", não estavam dando certo. Cheguei a comentar com uma pessoa que parecia que o "universo estava conspirando contra" apesar de não ser exatamente assim que eu acredito na coisa. Enfim, horas antes de embarcar, a mãe da minha amiga que iria comigo sentiu pressentimentos muito ruins, e nós decidimos não ir. Ficamos com o "preju" de já ter pago passagem aérea, hospedagem e curso, mas ficamos em casa em segurança. O que não foi totalmente ruim pois a quinta-feira era aniversário de 34 anos do maridex. Ele estava em Goiânia mas resolveu vir pra casa para sairmos pra jantar. Nem precisa dizer que foi tudo lindo e maravilhoso, né?

Ontem e hoje eu nem pus a cara pra fora da porta. Estava precisando descansar. Aproveitei para ler e ver filmes.

LIDOS:

  1. Amestrando Orgasmos - Livro de crônicas do Ruy Castro; 
  2. Tarja Preta - livro de contos reunindo vários autores sobre o tema "abuso e dependência química".

LENDO:

  1. História concisa da literatura brasileira - Alfredo Bosi (gente maluca lê livro didático. E posso dizer? Tô adorando rever o que eu aprendi no segundo grau!);
  2. O canto da sereia: um noir baiano - Nelson Motta.

FILMES VISTOS:

  1. Noel, o poeta da Vila.
  2. Cartola, música para os olhos - Breve comentário: Eu estou cada vez mais certa que a música brasileira e a mais rica do mundo, embora eu não conheça um palmo fora do Brasil. Escrevi ontem no Facebook que a música brasileira me basta, mas foi no sentido de que a nossa música é tão rica que há material para uma vida inteira.

Bem, é isso. Um beijo pra vocês!

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...