Bandidos e Mocinhas


Hoje, a caminho do trabalho, eu concluí a leitura de "Bandidos e Mocinhas", mais um título do Nelson Motta, pela Ed. Objetiva. Como aconteceu comigo em "O Canto da Sereia", devorei o "Bandidos e Mocinhas" com muita curiosidade e rapidez, pois as histórias de suspense (neste caso pontuada por alguma sacanagem e sutis referências musicais) sempre conseguem me prender horas a fio numa leitura.
Porém, o que eu mais gostei deste livro foi o modo como a história de Dida, um bandido estiloso e inteligente, morador do morro Santa Marta, se cruzou com a da delegada Marlene, honesta, durona e sexy. Na minha modesta opinião, eles roubaram a cena. Eu senti "borboletas no estômago" enquanto a história e o encontro deles se desenrolava na minha frente.
Sensações raras que tive durante a leitura:
  1. Eu desejei que Dida e a "delegata" tivessem um final feliz, apesar de acreditar que seria impossível, mesmo para o melhor escritor do mundo, mesmo sabendo que a graça da coisa era justamente essa: o amor bandido, a impossível conciliação entre um assassino e uma justiceira. (Eu adoro justiceiras, e de vez em quando, me apaixono pelos bandidos, na literatura, que fique bem claro!)
  2. Pela primeira vez na minha vida, ao longo da leitura, ao passo que ia conhecendo o estilo e os gostos do bandido Dida, eu "atribuí" a ele a cara de uma pessoa, um cara, um amigo pessoal meu... hahahaha Isso me deixou até constrangida por imaginar as cenas do livro como se a "cara" do meu amigo estivesse ali, estampada, bem na minha frente. rs...
Eu adoro quando meros coadjuvantes conseguem me atrair para o universo deles, e eles tomam mais minha atenção de que a história principal. Bem, Dida, um beijo pra você. Mais um livro que eu recomendo. Para conhecer mais sobre o livro, clique aqui.
Bjins
P.S.: Betinha não está louca, não. Está mandando MESMO um beijo para um personagem de um livro. :D

Comentários

Pixaim disse…
Oie...
adorei o convite! Onde consigo mais informações? Tô pensando em ir!

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminação sem gesso

Cortinas para a casa nova dos meus amigos Lai e Lu

Discurso que proferi na minha colação de grau do curso de Arquivologia, da UnB, dia 03 de fevereiro de 2009, em Brasília.