domingo, 13 de setembro de 2009

Findi

Oiê!


Tudo bem? Domingo acabou e eu ainda estou morta de cansaço. Eu não gosto muito de sair no sábado por isso: o domingo fica improdutivo, e eu não consigo descansar e fazer as coisas que precisam ser feitas. Mas valeu. Ontem foi aniversário da minha amiga Clarinha. Fizemos uma festinha surpresa pra ela no Godofredo. Toda a moçadinha compareceu, e a festa foi animada. A propósito, neste dia eu estava me sentindo muito gata, e tudo fica bom quando estou me sentindo linda. rs... A Clarinha nem desconfiou... a gente convocou todo mundo dizendo que era uma despedida de solteira para a Kissu (que, realmente, resolveu juntar as escovas com o Thiago). Depois, eu e a Lai fomos para o Arena, tentar a sorte de uma baladinha legal. Doce ilusão. A festa somos nós, então enquanto tivemos energia aguentamos a Salve Jorge... Nunca vi... a idéia da banda e do show era tão bacana, mas essa banda consegue ser chata. Aff... Só pra vc ter uma idéia: eles passam mais de uma hora fazendo medley de músicas do jorge ben jor (músicas legais) com um arranjo chato e monótono. Eles conseguem enjoar qualquer um executando músicas que por si já são muito bacanas. Enfim... muitas são as críticas à essa banda... mas não queria falar sobre isso. Sou muito crítica (e as vezes bem azeda), quando o assunto é música. 


Eu e Lai conversamos, rimos, dançamos um pouco e vazamos. E hoje eu estou morta. Na terça vou ministrar um curso. Então hoje vou tentar descansar, amanhã estudarei.


Desejo a todos uma semana muito boa, produtiva, sossegada. Bjins

2 comentários:

Raqueline disse...

Putz..
E eu axando que podia ter ido com vcs...kkkk

Claudio Azevedo disse...

Boa semana para vc também. O curso que vc está ministrando é sobre que assunto?

Outro dia, minhas esposa que também é manauara, encontrou três conterrâneas aqui em Roma. Batemos uma foto como lembrança. Uma delas é cantora Felicidade Suzy, conhece?

Beijos e tudo de bom.

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...