quarta-feira, 8 de julho de 2009

Vontade

Não sei de onde vem este cansaço sem nome
Esta vontade incontrolada
De sumir, de parar
De olhar o nada, devagar
De não sei o quê...

Não sei de onde vem esta agonia da vida
Esta correria sem parada
Desejo de ficar
e de fugir pra longe, viajar
De... não sei dizer...

Vontade de ficar,
e de não ficar
na mesma.
Divagar,
bem devagar...
De ouvir e de calar
a tua voz,
bem baixinho.
Calminho.
Carinho, Calminha.
Caminha sua
Caminha sua e minha.

Vontade de ser embalada na rede das tuas delícias...

Deve ser só
preguiça de viver essas malícias.


--
Elizabeth Maia
elizabethmaia@gmail.com
maiadepaula@hotmail.com

Um comentário:

Alexia Sant'Anna disse...

Chega dá vontade... hummmmm... Pensamento vai além mar...
*:o)

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...