terça-feira, 23 de junho de 2009

Quem precisa pedir com tanto jeitinho, né?

CARNAVAL FORA DE ÉPOCA

ainda é cedo
deixe a máscara um pouco mais
não tenha medo
se precisar a gente faz
de conta que é segredo

deixa que lá fora
tudo se acabe
que o mundo
se cale
até que a vida
nos separe

abre devagar seus braços
receba sem alarde
todo o meu desgosto
veja agora como arde
esta ilusão no meu rosto

cobre de confete
todo o meu cansaço
o que você quiser eu faço
só não diga não
preciso de alguém
pra dividir minha solidão

hoje somos de verdade
nada é brincadeira
esquece da saudade
finge que este Carnaval
não tem quarta-feira

não tire o disfarce, meu bem
ainda não caiu o pano
e se eu te chamo, vem

Mauricio Duarte dos Santos, 27, é jornalista e escreve no Haja Saco às segundas-feiras

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...