Concurseira?

Oi Pessoal! Tudo certin?

Nem sempre se faz só o que se quer, não é verdade? Eu sou craque em fazer coisas não bacanas porém necessárias, como por exemplo, iniciar uma vida de concurseira... :p Quem me conhece sabe que eu não gosto desta falta de opção latente em Brasília, onde ou as pessoas estudam para serem servidoras públicas, ou abrem uma empresa... (o que é beeeeeem mais difícil, por conta do alto custo para ser empreendedor no nosso país hoje). Devo confessar que eu penso que tenho mais perfil para ser empresária, e estou começando a me movimentar em relação a isso, mas preciso caminhar em direção a outras oportunidades, e por isso ontem eu me inscrevi em um cursinho preparatório para concursos públicos.

Devo admitir que houve uma pressão social para que eu tomasse esta atitude, mas também admito que não tenho muitas opções, e lá fui eu: comprei caderno e canetinhas novas (para me motivar), peguei aquela graninha e fui lá me matricular, e já assistir a primeira aula (que na verdade era a segunda pois o curso havia começado no dia anterior). Fiquei surpresa ao ver o tamanho da apostila que o moço da secretaria do curso me deu, onde tinha conteúdo para oito disciplinas diferentes (Gramática, Lei 8112, Lei 8666, Texto, Informática, Redação Oficial, Direito Administrativo, e Direito Constitucional) e mais duas fininhas (de Raciocínio Lógico e de Atualidades). Parece que vou ter que engolir tudo aquilo para ganhar um salário decente aqui nesta cidade. Eu, morta de cansaço, ganhei apostilas pesadas (estava sem carro) e tive que subir quatro andares para chegar à sala de aula. Nessa hora a falta do spinning falou mais alto (eu tive que abandonar a academia paa ir em busca de um $$.$$$,$$) e eu cheguei ao último andar do prédio velho e feio com o coração a sair pela boca. Procurei um lugar na frente para não correr o risco de me distrair e viajar no meio da aula, acomodei minha bolsa e material na cadeira ao lado, sentei, e fui pega de assalto por uma dessas senhorinhas esquisitas que habitam todos os lugares. Mulherzinha estranha vira para mim e pergunta: "É certo ressuscitar pessoas mortas?". Eu parei, olhei para ela, respirei fundo, e retruquei: "Hã?". Depois de um certo esforço mental eu entendi que ela se referia a um texto de uma das apostilas que dizia, dentro de um contexto, que Jesus ressuscitou pessoas mortas, e que na verdade, ela queria saber se não é redundância afirmar que se ressuscitou uma pessoa morta. Parece que vou ter que engolir muita coisa para ganhar um salário decente aqui nesta cidade.

Eu sei que tem empresas ótimas para se trabalhar, como as empresas nacionais com sede em Brasília (Sistema Indústria, Sebrae, e algumas outras muito boas), mas como chegar até elas? Não sei. E se alguém souber, por favor, me diga onde estão os bons salários da iniciativa privada aqui em Bsb. Que merda.

POr enquanto, vou me virando por aqui, como posso e vou me candidatar a uma vaga deste concurso: Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal - IBRAM - 01/2009

Região/Estados: Centro-Oeste | DF Escolaridade: Nível Superior, Nível Médio

Vagas: 100 Especiais: 20% das vagas

Salário: Máx.: R$ 4.352,36
Min.: R$ 2.936,35

Cargos: Analista de Atividades do Meio Ambiente e Técnico de Atividades do Meio Ambiente da Carreira Atividades do Meio Ambiente

Incrições: 01/06/2009 a 23/06/2009 Prova(s): 26/07/2009

Validade do concurso: 2 anos, contado a partir da data de publicação da homologação do resultado final do concurso público

Organizadora:CESPE/UnB

Olha só o céu, visto da janela do quarto andar do prédio do meu cursinho... parece que a noite tá me chamando...




Devo admitir que os colegas concurseiros tem um pouco de cara de gente baixo-astral. Tomara que eles não me contaminem. Beijos pra vocês!

Comentários

Fred Burle disse…
Boa sorte pra você. Enquanto puder, eu vou evitar essa vida.
Pixaim disse…
Beth, é uma pena que aqui em Brasília as melhores oportunidades estejam na área pública. Queria muito poder te dizer palavras de ânimo em relação aos concursos públicos... mas como disse: "Devo admitir que os colegas concurseiros tem um pouco de cara de gente baixo-astral. Tomara que eles não me contaminem." Tomara mesmo que vc não seja contaminada pela tensão do concurseiro. Já fiz parte desse grupo baixo-astral e depois de muito refletir percebi que não era nada proveitoso.Mudei de estratégia e hoje sou muito mais feliz! Embora eu ainda continue estudando... faço com mais calma e sem me cobrar tanto. Espero que vc consiga passar logo para não ficar tanto tempo nessa onda...

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminação sem gesso

Cortinas para a casa nova dos meus amigos Lai e Lu

Discurso que proferi na minha colação de grau do curso de Arquivologia, da UnB, dia 03 de fevereiro de 2009, em Brasília.