domingo, 31 de maio de 2009

Sampa

Oi gente!

Cheguei em Bsb ontem, e pra variar, voltei gostando ainda mais de Sampa... rs... A viagem, como sempre, teve seus altos e baixos. O curso, que me custou um investimento considerável, não foi legal, não valeu a pena... Vamos aos fatos:
1º Dia – É impressionante como viagem tem que ter emoção né? Achei que eu ia pra SP sozinha, porque a Dé chegou tão atrasada no aeroporto que eu pensei que ela perderia o vôo. Ainda durante o check in conhecemos uma moça que nos indicou uma passadinha no Q!Bazar, no Jockey Clube SP, onde tava rolando um mega outlet de grifes diversas... e a Dé me enchendo o saco pra gente ir à 25 de Março e Brás (odeio!). Sentei ao lado de uma moça que quase deu chilique na descida do avião por causa da proximidade com os prédios. O detalhe é que ela é paulista e disse que sempre viaja... vai entender! Chegamos em Congonhas por volta de 18h, sentindo muito calor. Pegamos um taxi na porta (muito depois descobrimos que o cara era bandido, e nos aplicou um golpe, cobrando um preço absurdo!) e fomos para o hotel (Formule 1 da Rua da Consolação). Tomamos banho, e saímos para comer num shopping da Frei Caneca. Ficamos abismadas com a quantidade de gays no lugar e nas redondezas (uns dias depois descobrimos através de uma vendedora que aquele lugar é carinhosamente de ‘Gay Caneca’). Bem, a Dé não gosta muito de balada por isso jantamos e voltamos para o hotel. Dormimos cedo.

2º Dia – Primeiro dia de curso - Encontramos os dois senhores do meu trabalho que também tinham ido fazer o curso. Eu estava super medrosa de finalmente encarar o trânsito em SP, mas isso não aconteceu de manhã. Chegamos com meia hora de antecedência na sala. Sobre o curso: não valeu muito a pena, não: o professor apenas contou sobre a experiência (que eu achei insuficiente) dele em montar o banco de dados da Pinacoteca do Estado... e no mais, muita filosofia... isso quando umas senhoras não puxavam a conversa para um assunto pra lá de impertinente sobre a política de recolhimento de acervos do Estado de SP e todo mundo do resto do Brasil tinha que ficar esperando eles voltarem ao assunto. O lugar era frio, amplo demais, o som estava péssimo, a fala do professor dava um sono lascado, não teve coffee break (o que impossibilitou o papo e o network), o material era fraquinho... enfim... valeu pela viagem. O curso foi uma frustração. Eu fiquei a semana toda muito ansiosa, cheia de expectativas, até que caí na real que esperar certas coisas é perder tempo, e se cansar à toa. O melhor mesmo é deixar as coisas se encaminharem e esperar pouco. Enfim... para esquecer os encontros e desencontros, a noite fomos jantar no Grazie a Dio, e eu também os obriguei a ficar para o show da Farufyno. Acho que foi a balada mais divertida do ano! Comi bem, bebi bem, dancei muito, ouvi música boa, conheci gente nova... enfim... a noite, apesar dos pesares, foi uma delícia! Ah! Mais uma vez levamos um golpe de taxista... saímos da estação Vila Madalena e o cara rodou horrores para nos deixar no restaurante. Ele só chegou no destino porque eu comecei a desconfiar e enchi o saco, afinal eu já tinha ido lá com a Lai e sabia que a distância não era tão longa.

3º Dia - Continuando no curso, meu saco já estava cheio... e meu interesse estava a zero! Decidimos sair um pouco antes do final para irmos ao Q!Bazar, no Jockey. Fizemos umas comprinhas e saímos. A Dé comprou duas calças da Siberian por R$ 80,00... pra vocês verem como os precinhos estavam atraentes... Voltamos para o hotel em pleno horário de caos no trânsito, mas chegamos bem. A noite saímos para jantar, e andar à toa na rua. Nosso hotel ficava quase de esquina com a Av. Paulista e, caminhando nela a gente sacou que o paulista, além de tudo, é muito fashion. rs...

4º Dia - A Dé me venceu na queda de braço. Nós dividimos o dia para agradar às duas: manhã: Mercado Municipal (lindo, muvuca, mortadela, tudo junto!) e Museu da Língua Portuguesa e a tarde na 25 de Março. Não rolou nesta ordem, mas nos divertimos bastante e fizemos comprinhas bem legais. Na volta, estávamos mortinhas de cansaço, mas adoramos a viagem.

Bem, acho que o melhor de tudo foi ter tempo para conversar bobagem e pensar sobre coisas sérias, falar sobre o futuro, sobre nossa profissão, sobre ciência da informação desnecessária... kkkkkk Enfim, o papo foi ótimo, a viagem também. Mas infelizmente acabou e amanhã tô de volta na vida real, na luta pelos nossos metros lineares de caixas organizadas de cada dia...

Super beijo, pessoal!

Um comentário:

Pixaim disse...

São Pauo realmente é um lugar maravilhoso! Com seus altos e baixos como em todo lugar! Pena que não gostou do curso... e ainda bem que o restante valeu à pena!

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...