domingo, 15 de fevereiro de 2009

Minha Poesia*

A poesia não pede
pra ser
desse ou daquele jeito

O verso é a canoa
que invade o mar
desobedecendo o tempo

Quem não tem máquina
escreve com o coração

Esqueço os dedos no temporal
que me leva a mão


*Apesar do título, esta poesia não é minha, e sim do poeta Ivan Silveira Braga, baiano de Santana dos Brejos, escrita dia 12/10/1989.

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...