segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Olha... está chovendo na roseira...


Acolha este beijo
E um cheiro nos olhos
Como criança que colhe uma flor
Afago na alma
Chorinho no Fado
Carícia, carinho
Borracha na dor

Cochile em meu braço
Sorrindo seguro
Lá fora a chuvinha
Velando teu sono
Num banho longo
E sem pressa
Leva uma prece
Água que desce
Inconfessa
Avessa
Indefesa


Respire comigo
E sinta o que eu sinto
Silêncio. Os meus sinos
Te querem contar
Delatando, singelos
Amores semeados,
Colhidos, lavados
Guardados
Para te dar.

Elizabeth Maia



"Chuva vai, chuva vem...
Chuva miúda não mata ninguém
"

2 comentários:

Edna Vilas Boas disse...

Olá Senhorita!

Antes da mais nada, SAUDADES SUAS...

Também quero tudo isso desse texto!
Esse carinho, ess "afago na alma". Um abraço apertado para matar a saudades desse "amores semeados"

Eita senhorita!

mt bom!
Uhum, aí é ...
bjs

Alexia Sant'Anna disse...

Que final lindinho...
Hermana... tú é uma boa influência na minha vida!!!
*:o)

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...