Manaus, 25 de dezembro de 2008.

Feliz Natal.

Feliz Natal?

Pro seu natal ser feliz você precisa afetar a frágil felicidade do natal alheio? Qual é o limite entre a sua felicidade e a felicidade do próximo? Onde fica a fronteira entre o seu direito e o direito do outro? Até onde podemos ir? Até a linha do bom senso? Até onde quisermos?

Um homem pode beber fartamente com seus amigos e depois sair por aí dirigindo pela cidade para comemorar, para buscar alguns outros, para fazer o que quiser? Você machucou o coração de alguém quando o trocou (preteriu em relação à outra pessoa) por outra pessoa, em busca da sua própria liberdade e felicidade... mas tem o direito de impingir a presença deste novato, na roda de convívio, de amizades, e de amor, que sempre foi do primeiro?

Onde fica o equilíbrio sadio entre a nossa vida, os nossos sentimentos, e a vida do outro as emoções do outro? Temos o direito de, em nome da auto-realização, esmagar as pessoas ao nosso redor?

Natal... é tempo de perdão, de amor, de reconciliação... Mas, me dá um tempo pra eu terminar de ruminar, pra eu remover a pedra que caiu em mim quando você me baleou.

11h11.

Comentários

Leo disse…
Gostei do tom crítico do post; nos faz refletir. Realmente deve haver um equilíbrio entre a sua felicidade e a alheia, para não estragar o Natal (e quaisquer outros bons momentos) de ambos. Tenha um feliz ano novo ao lado dos seus familiares e amigos aí em Manaus!
Rodrigo Fortes disse…
Ei... isso aqui tá parecendo o blog de alguém... muito filosófico.rsss.. adorei esse post. Lembrei do filme CRASH que diz que as pessoas ao se tocarem, automaticamente, se machucam. É inevitável Beth. Se não quisermos crescer, então vamos ficar trancados. A liberdade da gente sempre toca o outro. Mas prefiro sair, se machucar, voltar dolorido a me trancafiar no meu mundo.
bjs
Elizabeth Maia disse…
Oi Leo! Obrigada pela visita. Te desejo um 2009 maravilhoso.
Elizabeth Maia disse…
É isso aí Rodrigo... e eu continuo em busca de um equilíbrio perfeito! :D Bjins. Bom 2009 pra gente.
Edna Vilas Boas disse…
Eita senhorita Bete,
Arrebentou hei?
Isso lembra um conversar q tivemos outro dia.lembra?Muito bom texto.O que todos queremos é nos encontrar, mesmo q muitas vezes temos q nos perder antes.kkk... O mas o dia que eu chegar num equilibrio eu te conto...mas acho vai demorar. E talvez qd isso acontecer já não estarei aki para contar..kkkk.
Feliz 2009 meu anjo mt saude e paz!TB estou com saudade...sua doida..
Edna Vilas Boas disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminação sem gesso

Cortinas para a casa nova dos meus amigos Lai e Lu

Discurso que proferi na minha colação de grau do curso de Arquivologia, da UnB, dia 03 de fevereiro de 2009, em Brasília.