quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Fechado temporariamente

Eu tento ser boa, competente, respeitável, amigável, tento achar um meio termo para agradar todo mundo, tento fazer as coisas da forma correta e justa, tento tapar o buraco que os outros deixam, tento ser acima da média, tento conviver com harmonia com todo tipo de pessoa.

A acabo de descobrir que em tudo sou de plástico.

Tá bom que nem Jesus agradou todo mundo.

Mas estou virando um vegetal. E isso é uma merda.

Não quero mais vir aqui tão cedo. Não quero me expor,

Por isso este blog está fechado para balanço. Um dia eu volto.

Até mais!

5 comentários:

Rodrigo Fortes disse...

Tem que escrever porque gosta, porque se sente bem. Não é para os outros. Vai ser uma pena, mas tudo bem. bjs

Elizabeth Maia disse...

O problema não está em escrever ou não. O problema é que a vida se reflete na escrita, e eu não estou bem há meses.
Um beijo pra vc.

Leo disse...

Beth, uma vez ouvi uma história de uma ave que vive em mádia 40 anos, mas pode quase dobrar esta espectativa de vida se recolher-se por alguns meses. Em seu retiro, ela bica uma dura rocha para que seu velho bico caia e nasça um novo, com o qual arrancará suas unhas velhas, que após nascerem, arrancarão suas velhas penas. Após esse período, ela estará pronta para viver até os 70 anos.
Eu, como seu leitor há 3 anos, estou torcendo para que se recomponha, para que sua volta seja efusiva e triunfante!

jacker disse...

chloe bags
chloe handbag
chloe handbags
chloe paddington bags
chloe paddington bag

Pixaim disse...

Blog vicia... Não tem jeito! Já fechei o meu para balanço umas 5 vezes, mas uma semana depois lá estou eu, sentadinha em frente ao computador, postando... me expondo, me abrindo para o mundo... sem ter a menor idéia de que tipo de leitor tenho, sem saber as reais consequencias da minha exposição deslavada, apenas me entrego ao que gosto! Ainda bem que seu balanço foi rápido! hehehehehe

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...