quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Fogo-fátuo

15h46

Comprei outro livro... ai que delícia! O escolhido de hoje foi o “Muito Prazer” do Chacal. Comprei por indicação indireta rs... na verdade, dia desses, o Gilberto Amendola, meu blogueiro favorito do Haja Saco, citou o Chacal em uma crônica: “Dia desses peguei um livro do Chacal, um desses poetas que pouca gente se dá ao trabalho de ler. Azar. O cara é bom. O tal livro que caiu nas minhas mãos é de 2002 e se chama A Vida É Curta Pra Ser Pequena. Deu um nó na garganta só de olhar a capa. Bem, se eu precisar explicar vai ficar chato, não é?” Foi o suficiente para me deixar curiosa.

Não conheço muito de poesia, aliás, não entendo nada de nada... mas sou curiosa e aprendo rápido. Ano que vem quero voltar a estudar literatura e história, do começo, como se eu estivesse na escola.

Bem, aí vai um pouco de poesia, para que o dia não acabe no seco.

Um beijo!


Fogo-fátuo

ela é uma mina versátil
o seu mal é ser muito volúvel
apesar do seu jeito volátil
nosso caso anda meio insolúvel

se ela veste seu manto diáfano
sai de noite e só volta de dia
eu escuto os cantores de ébano
e espero ela chegar da orgia

ela pensa que eu sou fogo-fátuo
que me esquenta em banho-maria
se estouro sou pior que o átomo
ainda afogo essa nega na pia

(letra: Chacal - música: Moraes Moreira)
Jornal da Cidade, Aracaju. 7. maio. 2006.

"Se estiver acompanhado, esquece e vem"

Esse clipe é palha... na boa... clipezinho de merda...mas a música é boa. Então vamos aguentar a Maria Irrita em versão erótica. rs...

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Coisinha fofa!

Não resisti. Tive que colocar essa fotinha aqui. Fiquei bonitinha demais, né? rs...

Isso foi no último sábado. Bjos!


Tenho que fazer

Bom dia

Odeio que beijem meu cabelo. É poético, é gentil, mas não é nada prático. Eu tenho cabelo crespo... uso cremes para domá-lo... E a pessoa vem e beija meu cabelo... que merda. Ao contrário, se for pra me despentear, me faça um cafuné... que eu adoro...

Preciso descansar. Urgente. To querendo viajar pra Manaus no final do ano... Vamos ver se rola um paitrocínio... Tenho acumulado dois anos de saudade dos meus amigos, dos meus lugares, dos meus irmãos, das minhas tias, primos e primas, da minha vovozinha Huldinha... Quero conhecer os meus primos que nasceram nos últimos anos: João, Sara, Enzo, Lara, Joana, Lealzinho, Huldinha (a neta), e mais um monte que eu não conheço ainda. As mulheres da minha família gostam de parir. Percebeu, né? Só espero que gravidez não seja uma bactéria presente no ar do Amazonas, senão to ferrada! rs... Quero rever meus amigos! Esta semana eu conversei muito com um velho amigo, o Egner. Ele tirava um som tão bonito do violão... e era a cara do Zeca Baleiro. Foi ótimo reencontrá-lo. Quero rever Felipe, Milena, as Micheles, Hariade, a Raio... todo mundo! Que saudade da Elisa!!!

Também preciso fazer um curso na área de Arquivos, ainda este ano, para cumprir a minha meta mínima de um curso por ano, e até agora não fiz nada. Estou organizando uma viagem para fazer a oficina da Associação dos Arquivistas de SP. Se bem que está quase virando uma expedição, pois tem duas amigas querendo ir comigo: a Ecione e a Aline. Tomara que role. Será divertido.

O fim de semana promete ser animado: sábado, às 7 da manhã, vou participar da filmagem do novo curta do meu amigo Fred Burle (me achou de novo no Google, né, Fredzinho? rs...). Todos os curtas que ele faz são ótimos. Ele é um cara muito talentoso e eu tenho o maior orgulho de ser sua amiga. Depois da gravação tenho aula, e 12h30 vou me reunir com a turma que vai organizar o congresso de estudantes de Arquivologia do ano que vem, aqui em Brasília. Adoro me sentir assim tão viva... mas detesto o cansaço que me dá em me envolver e me doar assim...

Bjo pra vcs. Depois eu volto.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Inspirado em uma história real :)

Tudo ia muito bem, até aquele dia em que decidiu não dizer não para qualquer coisa que fizesse suas mãos suarem frio. Adorava a sensação de estar vivo. Nunca mais daria voz ao medo. Nunca mais diria nunca.

Matriculou-se em curso de pára-quedismo, voltou a tocar bateria, tirou seus discos de rock do armário, comprou uma motocicleta, e jogou-se na vida com um tesão tão intenso que já não sentia desde que tinha 17 anos. Sentia-se um super–herói.

Recusava-se morrer por conta daquele coração que ameaçava pifar.

Agora não.

Era um homem de 78 anos e tinha a vida inteira pela frente.

Texto em Lá Menor - por Cassiano Rodka


"Amor não se mede em litros ou joules. Amor se mede em metros. Melhor ainda, em quilômetros. A distância é a responsável pelo amor, quiçá, sua parideira e ama-seca. Ver, tocar, nada disso é o objetivo. São preliminares. Falsos alarmes. O amor mesmo está do outro lado do muro. Na ascendente do precipício. Precisa-se esticar o braço, dar o pulo, alongar a perna. A batida do meu coração reverbera os teus passos em direção ao infinito. Então segue a tua estrada contrária. Mas saiba que, a cada passo, a cada metro, meu amor cresce e meu coração dilata. Traça teu destino, mas não seja bobo. Que nessa distância, e a essa velocidade, já sou teu desde o início. "
Tirei daqui o texto e a imagem, e lá tem muito mais coisas bonitas como esta.

Qual é?

Qual é o problema das pessoas aparentemente mais esclarecidas? Não conseguem aprender a tirar cópias, puxar a ligação do ramal vizinho, ou transferir a ligação para outro ramal... Desaprendem coisas simples! Será que isso é tarefa exclusiva para assistentes, terceirizados e estagiários?

domingo, 26 de outubro de 2008

Livros, fotos, bossa nova e artesanato

Aqui estou eu, em busca de uma vida mais cult, seja lá o que for isso. Procuro em blogs de pessoas que eu considero cult (mesmo sem nenhum critério) nomes de livros, bandas e figuras de outras classes artísticas que tragam um pouco mais de sabor e poesia para essa vidinha mais-ou-menos.

Eu adorava minhas aulas de história da arte, durante a adolescência, porque eu sabia que estava entrando em contato com uma informação disponível a um grupo seletíssimo de felizardos, no qual eu só me incluía porque o Papai do Céu gosta muuuito de mim, e fez com que eu conseguisse acesso às aulas gratuitas do CCCS, em Manaus. É isso aí... entender de teatro, gastronomia, cinema, televisão, artes plásticas, moda, literatura, decoração e música é muito cult, e essa vida de universitária me emburrece, essa vida de trabalhar todo dia de 8 às 18, me emburrece. Parece papinho de gente provinciana, mas eu tô me sentindo mesmo desse jeito. Toda vez que fico assim, corro para o computador e compro um livro, e foi isso que eu fiz hoje. Agora é só esperar e devorar. O escolhido de hoje foi o "O amante do vulcão" da Susan Sontag.

Mudando de assunto... ontem fui a uma feira de artesanato mundial e fiquei encantada com as peças mostradas nos stands da África, da indonésia, da Turquia e da Índia. Eram os espaços mais interesantes, tudo muito colorido, muito vivo. Só instigou a minha vontade de cair no mundo. Penso em como seria bacana trazer para a minha casa um artigo de decoração de cada parte desse mundão! O mais bacana dessa variedade eu não vi na feira: a multiplicidade de rostos e músicas e comidas... Mas aproveitei e comprei coisinhas para a minha casa. Comprei também uma cachacinha de uva, deliciosa.

Quero conhecer o mundo. Um dia eu chego lá.

__________________________________________

O ensaio fotográfico para o convite de formatura foi o acontecimento do fim de semana. Encontrar minhas amigas é muito bom, ainda mais para ficar linda nas mãos de uma maquiadora e posar de modelete para uma câmera fotográfica hehehe. Se bem que, eu não gostei da maquiagem que a moça fez em mim... Minha cara, depois de cinco minutos, ficou uma gosma. Depois de ser fotografada eu meti a toalha na cara e me livrei daquele reboco. Argh... Após as fotos, fomos lanchar num lugar super charmoso: o Quitinete. A comida tava ótima e o papo com elas é sempre bom.

Ao sair do Quitinete fui à Musimed, pois o Paulo estava tocando lá, num evento que eles chamam de Clube da Bossa Nova. Amo Bossa, mas achei aquilo um tédio tenebroso. Só esperei porque queria muito ir à feira de artesanato. Valeu a pena. Meu sábado foi delicioso, pois não há nada melhor nessa vida do que a companhia de pessoas queridas.

Um beijo. Boa semana!

O meu tempo é agora

Quanto mais o tempo passa, mais eu entendo que não entendo nada de nada, mais eu percebo que a vida passa rápido e que é impossível absorver uma quantidade razoável de leituras, de músicas, de pessoas e de bons momentos.

O meu tempo é agora, e agora eu tenho que correr para que o tempo não passe vazio.

Um beijo. Boa semana!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

É gripe?

Ontem eu estava apenas dengosa. Hoje eu estou dengosa e gripada. Amanhã acontecerá o ensaio fotográfico do convite de formatura, e ninguém merece aparecer no convite com essa cara de benegripe...


quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Motivo - Cecília Meireles


Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Diálogo possível entre forma e conteúdo

Se a forma não for adequada, o conteúdo pode ser afetado? Sim.É como água pronta para ser moldada em formas de gelo. Se o exterior não for agradável, nenhuma mulher fica bem por dentro... Eu não fujo à regra: se o meu "design externo" não me agrada, não fico bem, não consigo comprar roupas, não me sinto bonita, não me sinto livre, não me sinto bonita e poderosa (e quem me conhece sabe que eu AMO me sentir poderosa), não me sinto segura, não me sinto EU. Parece que eu tomei o corpo de outra pessoa.

Acho super legal aquele papo de ter conteúdo, de ser inteligente, bem-humorada, esforçada, estudiosa, divertida, resolvida e blá blá blá... Mas nenhuma mulher se sente assim quando não está de bem com o seu corpo. Preciso concluir a graduação pra cuidar mais de mim. Não sou do tipo de pessoa que consegue fazer mil coisas ao mesmo tempo. Assim que acabarem as aulas na UnB vou cuidar de malhar muito, nadar, fazer uma dança... alguma coisa que elimine os 17 quilos que me separam do corpo que eu tinha há seis anos atrás.

Desta forma eu me sinto eu:


MAGRA, E FAZENDO AQUILO QUE EU REALMENTE AMO FAZER!

Isso foi em 11 de outubro de 2002, em Manaus, numa noite que ficou gravada a ferro e fogo na minha história. Ganhei esta foto da minha amiga Milena di Castro. Eu nem sabia que esse registro existia... Belo presente, né?

____________________________________________
Mudando de assunto: este final de semana vou sair para comprar coisinhas para decorar minha casa. As minha saídas favoritas, fora encontrar as amigas, e ir em shows, são as comprinhas que eu faço para o meu lindo lar. Essa casa vai ficar muito aconchegante, porque vou recheá-la de carinho e de amor. Estou transbordando!

Tenham um lindo fim de semana!

Bjins da Beth

ADORO o Nelson Motta! :) Eu pagaria para organizar os arquivos dele.

Respostas à procura de perguntas
Texto do Nelson Motta, recebido por e-mail hoje.

RIO DE JANEIRO - Nelson Rodrigues imortalizou "a estagiária do calcanhar sujo" como a caricatura da jovem jornalista riponga, esquerdista e ignorante.

Quando uma dessas perguntava a Paulo Francis "como começou a sua carreira?", ele rosnava: "Se depender de mim, a sua acabou agora". E ia embora.

Por que perder seu precioso tempo respondendo o que já foi mil vezes respondido? Por preguiça e incompetência de boa parte dos jornalistas que nossas fábricas de diplomas desovam no mercado?

Como jornalista não-diplomado, nunca fui para uma entrevista sem ler tudo que pudesse sobre o entrevistado. Sem Google. E sempre sabia como começou a carreira dele. Não é justo que artistas importantes deixem de trabalhar para gastar tempo repetindo, ad nauseam, suas biografias de domínio publico.

No lançamento de "Vale tudo - O Som e a Fúria de Tim Maia", como a imensa popularidade do biografado certamente provocaria muito interesse pelo livro, prometi à editora que daria entrevistas a qualquer jornal, revista ou site, de qualquer tamanho, de qualquer cidade. Tudo por e-mail.

Choveram pedidos, foram mais de 100 entrevistas, todas respondidas e publicadas. Sem perder um minuto do meu tempo. Graças ao Personal Respondeitor Digital!

A idéia surgiu quando dei as primeiras entrevistas para "Veja", "O Globo", "Folha", "Estadão" e "Zero Hora". Respondi abundantemente, eles usaram 20% e acumulei um volumoso "dossiê Tim Maia" em um arquivo que chamei carinhosamente de "banco de dados". Foi com esse material que minha brava assistente Lu respondeu, por email, por supuesto, a todas as outras entrevistas, sampleando e remixando minhas respostas. E todos os repórteres ficaram muito satisfeitos. Ninguém reclamou, ninguém notou nada.

Sem bronca: quem faz as mesmas perguntas merece as mesmas respostas. Se surgia uma pergunta diferente, o que era raro, eu mesmo respondia e acrescentava ao arquivo.

O Personal Respondeitor, apesar de atraente oferta das Organizações Tabajara, não será comercializado. Estaremos disponibilizando free para quem está cansado de responder às mesmas perguntas: seus problemas acabaram.


Se não deseja mais receber esse informativo, por favor clique aqui para se descadastrar.
Copyright @ 2006 Nelson Motta, em Sintonia Fina.

Para mais informações: info@sintoniafina.com.br

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Trecho do Poema "Acordar" de Fernando Pessoa


A mulher que chora baixinho
Entre o ruído da multidão em vivas...
O vendedor de ruas, que tem um pregão esquisito,
Cheio de individualidade para quem repara...
O arcanjo isolado, escultura numa catedral,
Siringe fugindo aos braços estendidos de Pã,
Tudo isto tende para o mesmo centro,
Busca encontrar-se e fundir-se
Na minha alma.

Eu adoro todas as coisas
E o meu coração é um albergue aberto toda a noite.
Tenho pela vida um interesse ávido
Que busca compreendê-la sentindo-a muito.
Amo tudo, animo tudo, empresto humanidade a tudo,
Aos homens e às pedras, às almas e às máquinas,
Para aumentar com isso a minha personalidade.

Pertenço a tudo para pertencer cada vez mais a mim próprio
E a minha ambição era trazer o universo ao colo
Como uma criança a quem a ama beija.
Eu amo todas as coisas, umas mais do que as outras,
Não nenhuma mais do que outra, mas sempre mais as que estou vendo
Do que as que vi ou verei.
Nada para mim é tão belo como o movimento e as sensações.
A vida é uma grande feira e tudo são barracas e saltimbancos.
Penso nisto, enterneço-me mas não sossego nunca.

sábado, 11 de outubro de 2008

Marco Zero

Brasília, 10 de outubro de 2008. 00h56

Tenho 26 anos, mas já percebi que a vida se divide em capítulos. Acabo de perceber isso vendo fotos antigas. Os lugares, os cheiros, as músicas... Muitas coisas me remetem a fases que passei na vida, e que simplesmente se encerraram com os dias que se foram, com as páginas que retirei do calendário.

Pode ser a mudança de casa, o fim de um curso, ou de um relacionamento, ou a “ficha” que finalmente “caiu” e eu que a situação em que vivia já tinha passado da hora de acabar... Toda fase tem seu marco zero, e seu marco final. Hoje eu encerrei um capítulo da minha história (ou seria “estória”?) que nem devia ter começado a escrever. Mas isso também faz parte do aprendizado contínuo da vida. Errar faz parte da vida... E viver é algo mágico. Outro capítulo que está se encerrando é a minha graduação. Foi pesado e difícil, mas foi maravilhoso!

Fico encantada com fotografias! Hoje mesmo ressuscitei uma porção maravilhosa do meu trajeto. Quanto amor cabe numa fotografia? Eu respondo: muito! Não ressuscitei apenas lembranças de bons momentos... Vi que tem muita vida naqueles documentos digitais... rs...

Bem, entrei aqui pra contar o quanto é importante encerrar etapas da vida, e como é fundamental viver todas elas. Temos outras obrigações nessa vida: lutar pelo que se acredita, ser honesta com as pessoas, ouvir o que os outros tem pra falar; ter paciência; entender; ser tolerante... Tenho aprendido isso com meu marido.

Ontem, depois da aula, fui lanchar com o Paulo. Seria um lanche como outro qualquer se eu não tivesse ficado comovida ao ver a forma como ele lida com as pessoas. Me apaixonei perdidamente por ele, de novo! rs... Às vezes ele me dá lições silenciosas, e elas falam tão alto no meu coração. Aqui eu coloco um marco zero na nossa relação, e torno a sentir uma coisa doida de fé... uma coisa inexplicável que me renova. As pessoas são diferentes, amam de forma diferente, demonstram amor de forma diferente, e recomeçam de forma diferente. Preciso repetir isso todos os dias, cem vezes por dia, se necessário, para que eu me lembre todas as vezes que os problemas chegarem. Toda vez que o sol nasce temos a oportunidade de recomeçar. E eu não vou esperar até o dia nascer. Vou apagar o que der pra apagar, e reescrever a partir daqui.

Não espere até segunda-feira pra começar sua dieta, não espere o domingo pra pedir a benção aos seus pais, não espere a hora de dormir pra falar com Deus. Não espere. Viva o seu capítulo de hoje. Encerre já o que tem de ser encerrado. Não tenha vergonha. Recomece.

Um beijo! – 01h32


quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Seja feliz



Relaxe um pouco.

Pare. Esqueça o mundo ao seu redor.

Escute essa música.

Pense numa redinha, sombrinha, aguinha de coco gelada, ventinho no rosto.

Aceite um cafuné. Cochile nos braços de alguém.

Falta pouco para o fim de semana, mas você tem que usá-lo como tal.

Não trabalhe, nem estude. Esqueça a casa.

Relaxe um pouco.

Pare. Esqueça o mundo ao seu redor.

Aproveite o sábado e o domingo na companhia de pessoas sadias.

De risadas. Aliás... chore de rir.

Vá ao cabeleireiro. Fique bem pra você.

Passe um perfume bem gostoso.

Ande de bicicleta. Tome banho de chuva.

Aproveite a vida. Seja feliz.



Bjo da Beth

Voltei aos 14 anos... :)

You Learn

Alanis Morissette

Composição: Alanis Morissette / Glen Ballard

I recommend getting your heart trampled on
To anyone
Yeah, oh yeah, yeah
I recommend walking around naked
In your living room
Yeah

Swallow it down
(What a jagged little pill)
It feels so good
(Swimming in your stomach)
Wait until the dust settles

You live, you learn
You love, you learn
You cry, you learn
You lose, you learn
You bleed, you learn
You scream, you learn

I recommend biting off more than you can chew
To anyone
I certainly do
I recommend sticking your foot in your mouth
At any time
Feel free

Throw it down
(The caution blocks you from the wind)
Hold it up
(To the rays)
You wait and see when the smoke clears

You live, you learn
You love, you learn
You cry, you learn
You lose, you learn
You bleed, you learn
You scream, you learn

Wear it out
(The way a three-year-old would do)
Melt it down
(You're gonna have to eventually, anyway)
The fire trucks are coming up around the bend

You live, you learn
You love, you learn
You cry, you learn
You lose, you learn
You bleed, you learn
You scream, you learn

You grieve, you learn
You choke, you learn
You laugh, you learn
You choose, you learn
You pray, you learn
You ask, you learn
You live, you learn

quarta-feira, 8 de outubro de 2008


Estou apaixonadaaaaaaaaaaa.

Samba e leveza- música do disco novooo!
(Lenine / Chico Science)
FOI NA LEVEZA
SÓ SENTIMENTO
E ME ENTREGOU SUAS PALAVRAS
COMO QUEM DAVA UM PEDAÇO
DELICADEZA FOI
DISSE AO MEU CORAÇÃO
E ELA ME DEU A INTENÇÃO
DO SAMBA QUE EU NÃO FIZ

Ô, SAMBÁ
É O QUE EU QUERO SENTIR
Ô, SAMBÁ
QUANDO EU TE VER SORRIR
Ô, SAMBÁ
COISA MELHOR QUE EU FIZ
MUNDO CAIU NO SAMBA
NA HORA QUE EU TE VI

VOCÊ ME BATUCOU
SKINDÔ MEU CORAÇÃO
QUANDO EU TE VI
SAMBAR ASSIM
AQUI NESTE LUGAR
ONDE ESTE MESMO SOL
COSTUMA APARECER
E A LUA VEM OUVIR
O SOM ESTÉREO DO MAR

Ô, SAMBÁ
VENHA ME DAR SEU AMOR
Ô, SAMBÁ
QUE EU SAMBO AONDE FOR
Ô, SAMBÁ
É O TEMPO CERTO DE SER
E EU SAMBARIA O MUNDO
SÓ PRA ENCONTRAR VOCÊ

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Caminhos



Me sinto como quem anda em um caminho de pedras falsas e escorregadias.
Chove. Qual delas devo escolher?

Preciso andar.

Tenho medo de pisar e sucumbir.

Permaneço estática.

sábado, 4 de outubro de 2008

Happy hour no Godofredo - Clube da Luluzinha

Sexta-feira é tudo de bom, né? Principalmente na companhia de gente fina, elegante e sincera, como diz o Lulu Santos. Ontem encontrei minhas lindas amigas no Godofredo... o que era pra ser um happy hour misturado, virou um Clube da Luluzinha... lindas Luluzinhas. Todas umas doidas... hahahaha O melhor da noite foi ver a Kissu correndo pra espantar o álcool. hahaha Racho de rir com essas minhas amigas.

Depois a Alexia e o Paulo Alexandre me deram carona pra casa, e a gente ficou aqui comendo pizza e conversando até as 3h da matina. Foi muito bom. A Kissu veio dormir aqui em casa e me acordou as 6h10, preocupada em não perder a hora... hahahah Tomei um susto enorme. Deitei mais um pouco mas tive que levantar cedo pra ir pra unb... Cheguei em casa depois das 13h e estou esgotada de cansaço. É isso aí: não posso parar. Me sinto tão viva, tão produtiva, tão forte!

Ontem li um texto muito bacana, sobre o que acontece com um escritor no processo de produção de um texto para uma mulher. Imprimi e levei, para dar de presente a uma pessoa que prometeu aparecer, mas não foi. Tudo bem, teremos outras oportunidades. Aliás, recomendo a litura desses blogs que eu ADORO:

www.hajasaco.zip.net - onde eu achei o texto que citei acima
www.blonicas.zip.net - onde eu me viciei em blogs





Um beijo!

Mais um trecho de música que fala por mim





"Mas eu persigo o que falta
Não o que sobra
Eu quero tudo
Que dá e passa
Quero tudo que se despe
Se despede e despedaça"

O que é bonito - Lenine

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Obrigações em excesso para uma semana curta

Olá

Que semana curta! O curioso é que ao longo dos dias sinto como se o tempo se arrastasse, e quando eu menos espero, chega a sexta-feira. ADORO sexta porque ela tem sabor e cheiro de adolescência. Eu sempre esperei muito dos meus fins de semana porque é na sexta e no sábado que pessoas trabalhadoras e esforçadas como eu (rs) tem oportunidade de relaxar um pouco e curtir o contato com as pessoas, papear, ouvir música, ter contato com a natureza, separar tempo para cuidar da alma e do corpo, cuidar de si... Tem uma música da banda Cidade Negra que diz: "Todo mundo espera alguma coisa de um sábado a noite... Bem no fundo, todo mundo quer zoar. Todo mundo sonha em ter uma vida boa. Sábado a noite tudo pode mudar." A rima é pobre mas o conteúdo é 100% verdade. Eu sempre espero muitas coisas boas, muita diversão no final de semana. Sempre quero interagir!

Falando nisso, hoje tenho dois aniversários e um happy hour pra ir... Tenho que dar prioridade ao que eu combinei primeiro, e depois vejo o que faço com o resto... mas não é sempre que tenho tanta coisa pra fazer. Por que eu passo meses sem alguma programação, e de repente aparecem tantos compromissos num dia só? Falando nisso, se eu morasse mais perto poderia aproveitar muito mais o fim de semana. Quero sair do lugar onde moro daqui a, no máximo, três anos. Aliás, estou com uma vontade enooooorme de mudar de cidade. O curioso é que essa vontade vem e passa. Mas eu pretendo mesmo me mudar.

Olha só que coisa curiosa: hoje de manhã, no trajeto para o trabalho, fiquei pensando em como eu sou uma pessoa sensível aos sons... eu lembro de músicas que eu ouvia quando era muito menina, e elas me emocionam até hoje, Eu percebo que minhas influencias musicais são coisas que me acompanham desde muito pequena, como é o que acontece com o Jorge Ben Jor e outros artistas, e com alguns estilos musicais, como é o caso da black music que eu ouvia no sistema de som do mercadinho próximo à casa da minha avó. Em 1985 (eu tinha uns 3 anos) eu morava com meus pais no centro de Manaus, e sempre escutava um samba que dizia assim "Dona Celestina, me dá água pra beber. Se você não me der água eu vou falar mal de você". Sempre achei muito curiosa a ameaça que o sambista fazia à avarenta senhora. Mas esta letra me marcou. Outra lembrança musical linda da minha infância é a melodia do Ursinho Pimpão, cantada pela Simoni. Lembra dela? Aquela, que casou com um presidiário...

Que lembranças né? Um sambista mala que ameaça uma pobre senhora, e uma cantora infantil doidona que se casou com um presidiário. hahaha

Todas as vezes que eu coloco vídeos com músicas aqui no blog, não é porque eu não tenho nada para escrever... é porque certas músicas falam tão completamente, com tanta eficiência, eficácia e efetividade sobre as coisas que eu sinto, e penso, que se torna absolutamente desnecessário acrescentar qualquer palavra sobre o assunto. E essas músicas do meu blog falam por mim. Sim, a música sempre fala por mim.

Aí vem mais uma musiquinha falante :) pra animar o fim de semana. Tem a letra e um videozinho super brega, mas a música é bem legal. Ouvi essa música, a primeira vez, há muito tempo atrás, e há algumas semanas tive o privilégio de me emocionar com ela escutando uma rádio no carro, a caminho de casa. AMO!


Carrossel - Banda Black Rio

Basta o teu olhar
pra me hipnotizar
Medo de me perder
como num sonho mau
Tempo que vai passar
setas vão me guiar
Guiam você também
mostram a verdade
Felicidade, enfim
Carrossel
Gira e volta ao mesmo lugar
Procuro e sei que vou encontrar
O amor que foi só de nós
Nunca desanimar
Tempo de acreditar
Que vai cicatrizar
Mesmo que seja em vão
Tempo que vai passar
Setas vão te guiar
Guiam a mim também
mostram a verdade
Felicidade, enfim
Carrossel
Gira e volta ao mesmo lugar
Procuro e sei que vou encontrar
O amor que foi só de nós
Só de nós
Carrossel
Só de nós
Carrossel

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Post editado

Por orientação de um querido professor, leitor anônimo deste espaço, a retardada, que responde por este blog, decidiu alterar o conteúdo de alguns posts, afinal de contas, as pessoas não são tão bem intencionadas como eu penso que são.

Fiquei triste porque não consegui ingresso para o show do Vercillo.

Beijos

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Eu, monitora :)

Geeente, que semana difícil! Ainda é quarta-feira e eu já estou pedindo “arrego”, como se diz lá na minha terra.

Não é fácil ser monitora de disciplina na UnB quando a professora é a Shirley. Isso não é ruim, ao contrário. Tenho lido muitos textos de Arquivologia, alguns que, inclusive, não tive acesso durante o curso. Ou seja, é ótimo ser monitora dela, mas é muito pesado, porque a carga de leitura é muito grande, temos que ler em francês, espanhol, italiano, inglês e português (sim, temos que ser poliglotas heheheh), e a turma é difícil de administrar: tudo vira motivo pra polêmica, e eles estão desesperados com a quantidade de textos e atividades. Super desafio, né? Darei aula pra eles até dia 14 de outubro. Espero que Deus nos ajude, e que eu aprenda muito mais do que já estou aprendendo. Acho que vou sentir falta disso depois que eu formar...

Penso que existem dois grandes ganhos neste processo: o primeiro é a soma de conhecimentos que eu absorvo na leitura, na explicação dos textos, na resposta aos questionamentos; o segundo, e talvez o mais delicioso deles, é a possibilidade de interação com as pessoas. Só o fato de conhecer pessoas novas já é ótimo. Poder interagir com gente que pensa diferente, aprender com elas, ouvir e interpretar outros pontos de vista, visualizar outros mundos de realidades totalmente diferentes da minha realidade, da minha verdade, da minha coerência... Isso é maravilhoso demais. E não tem dinheiro que pague. Me sinto muito honrada em poder participar desta disciplina.



Bem, por enquanto é só.

Beijos.

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...