Não gosto de falar do meu ambiente de trabalho, mas vamos lá!

Mesa arrumada é sinal de funcionário desocupado. Será?

Eu tinha uma colega que defendia que, se você ta sem nada pra fazer, espalhe meia dúzia de documentos pela sua mesa, porque assim as pessoas pensam que você está muito ocupada trabalhando naquilo. De fato, é inegável que há uma relação entre quantidade de documentos dispostos na mesa e quantidade de trabalho, mas assumo que essa constatação não é nada científica. O fato é que eu estou sem nada pra fazer no momento, e essa minha mesa arrumada está me deixando agoniada.

Detesto ficar no meu ambiente de trabalho sem nada pra fazer, principalmente quando eu sei que outros setores da empresa estão precisando do meu trabalho, e eu não posso ir pra lá realizar algo de útil porque simplesmente a burocracia não permite. Em empresas pequenas a situação é contrária: existe uma enorme possibilidade de o profissional ser desviado de suas funções em virtude da necessidade de “tapar outros buracos urgentes”.

Já trabalhei em empresas grandes e pequenas e sei o que estou falando. Por exemplo: em empresas pequenas, invariavelmente, o funcionário “desocupado” servirá como secretária, ou realizará outros serviços administrativos. Nas grandes empresas, ou nunca fica desocupado, ou quando fica, todo mundo fica “pescoçando” seu espaço, para saber porque uns estão desocupados e outros estão “afogados” de trabalho. Aqui onde estou, aproveito agora este tempo livre para atualizar o blog. Mas nesse esquema “anti-pescoçagem”: abro o word, insiro a logo da empresa, faço um cabeçalho acima de qualquer suspeita, diminuo o tamanho da fonte, e finalmente escrevo o post.

Normalmente, arquivistas não podem dizer que não tem nada para fazer. Mas este é um caso atípico: contrataram-me no finalzinho do projeto, quando o “grosso” do trabalho já tinha sido realizado. O que falta fazer agora não depende diretamente de mim: é necessário que o gerente valide a proposta de tratamento dos documentos eletrônicos, e ele nunca tem tempo para ler e debater a proposta. Semana passada eu fiquei parada por simples falta de material... Numa empresa rica dessas, não tinha material pra eu trabalhar. É o fim da picada, né? Não tenho tempo pra perder: só tenho mais duas semanas pra terminar todo este projeto, preciso andar com isso!

Eu detesto ficar sem nada pra fazer. Penso que, se estão me pagando pra trabalhar e eu não estou fazendo nada, eu perco meu tempo, e eles perdem o dinheiro. Ou seja: todo mundo sai perdendo. Tenho tanta coisa pra estudar, tanta coisa pra fazer em casa... Mas... é tudo culpa da burrocracia!

Bjo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminação sem gesso

Cortinas para a casa nova dos meus amigos Lai e Lu

Discurso que proferi na minha colação de grau do curso de Arquivologia, da UnB, dia 03 de fevereiro de 2009, em Brasília.