terça-feira, 12 de agosto de 2008

A criatividade da vizinha é sempre melhor que a minha

De Henrique Szklo

A coisa mais comum que existe no mundo corporativo é uma empresa solicitar – e às vezes exigir – de seus funcionários, colaboradores e fornecedores, idéias criativas e inovadoras. Mas na hora em que estas lhe são apresentadas, um nariz torcido, uma boca arqueada para baixo e um senho repleto de sulcos invariavelmente são vislumbrados em rostos pasmos e incrédulos. Geralmente acompanhada de um “você está louco?”, a reação é sempre considerar como piada, uma brincadeira de mal gosto ou simplesmente um devaneio insano do propositor.

A pergunta que me faço quando presencio uma dessas cenas é “Será que eles sabem o que é criatividade? E na eventualidade de eles saberem, será que eles têm peito para levar uma idéia verdadeiramente criativa adiante?”. Em geral não. A maioria das pessoas só se sente confiante e confortável com uma idéia quando seu banco de dados mental encontra alguma referência positiva, ou seja, a idéia precisa estar “cadastrada” em sua cabeça para ser reconhecida como “boa”. Mas como uma idéia nova estará cadastrada na cabeça de alguém? Se é nova mesmo, não estará. O que significa que exigirá um novo imput mental. E para a maioria dos mortais este é um sacrifício duro demais para enfrentar. A dor da dúvida, da incerteza, da próxima curva é insuportável.

Mas por que então as pessoas insistem em perseguir a criatividade se elas não são capazes de suportá-la? Porque na maioria das vezes elas sequer sabem que isso acontece. Para elas, estão apenas fazendo um juizo de valor e não incorrendo em um preconceito. Elas acreditam de fato que aquilo não é uma boa idéia. Aí você pergunta para ela o que é uma boa idéia e ela lhe apontará uma imensa lista de idéias conhecidas, consagradas e, principalmente, testadas. E por acaso estas pessoas sabem o que os autores destas idéias vitoriosas tiveram de passar para levá-las adiante? Sabem o sacrifício emocional que tiveram de enfrentar? Sabem o medo que passaram por causa da incerteza e da dúvida inerentes às novidades? Sabem quantas vezes elas erraram até acertarem? Com certeza não. Por isso as empresas continuam obsecadas por criatividade sem sequer saber o que diabos isso significa. Criatividade por definição significa dúvida, significa risco, significa surpresa. Significa que às vezes dá errado mesmo. Mas nem todo mundo tem estômago para enfrentar riscos. Nem todo mundo é Stephen Jobs. Mas não se desesperem. Copiar bem copiado também não deixa de ser um grande talento.

Henrique escreve no Blônicas e dá palestras de criatividade.
Visite seu
site, o fotoblog de camisetas autodestrutivas e sua Academia de Criatividade.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

China e o resto do mundo


Gente! Que coisa mais linda a abertura dos jogos olímpicos na china, hein! Eu fiquei emocionada várias vezes com tanta beleza. Me arrepiei com a entrada das delegações de tantos países, tanta gente diferente, bonita... Achei linda a participação das crianças chinesas pintando numa cena que representaa uma sala de aula... Imagino que deve ser uma felicidade enorme para quem consegue chegar até uma Olimpíada... deve ser como concorrer ao Oscar, ou ao Grammy...

Olhando a entrada de tantas pessoas lindas e diferentes, bateu mais forte no meu coração aquela convicção que eu tenho lá no fundo de que ainda vou conhecer muuuuuitos lugares neste mundão de Deus. E não só os lugares "clássicos" de turismo. Quero andar pelos lugares escondidos da Terra, países diferentes, pequenos, exóticos. Quero conhecer brancos, pretos, amarelos, pardos, gente de todas as cores, lugares, comidas, culturas... O mundo é um presente que Deus me deu. E eu vou usufruir :) E voltarei aqui para contar.

Agora tenho que ir. Estou estudando um texto do Cruz Mundet para dar uma aula na disciplina "Arquivo Corrente 2", na semana que vem, quando recomeçam minhas aulas na UnB. Meu último semestre lá. Graças a Deus! :)

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Guantanamera - Tradução

Sinto que sou uma pessoa assim:

"Eu sou um homem sincero
de onde crescem as palmeiras.
E antes que a morte me leve,
quero que versos me saiam da alma.
Eu sou de toda parte
e eu vou para toda parte.
Eu estou nas artes,
em meio às montanha.
Eu sou uma montanha.
Tudo é belo e constante,
tudo é música e razão.
E tudo, feito o diamante,
antes de ser luz, é carvão.
Com os pobres do mundo
eu quero ter o meu destino.
Um pequeno riacho na montanha
me agrada mais do que o mar.
Eu quero, quando eu morrer,
sem pátria, porém sem dono,
ter na minha lápide um buquê de flores e uma bandeira.

Cultivo uma rosa branca em julho,
como em janeiro, para um amigo sincero
que me oferece sua mão honesta.
E para o cruel que me arranca
o coração que me mantém vivo,
eu não cultivo espinhos.
Eu cultivo a rosa branca.

Guantanamera
Guajira
Guantanamera"

Guantanamera é a garota natural de Guantanamo, Cuba. E eu acho que essa letra é linda! :)

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Fim de semana

Gente,

Como vão? Eu estou bem. Estudei um pouco no fim de semana. Tentei entender e traduzir um texto, dormi muito, naveguei na net, cuidei da Minnie... um fim de semana normal.

Canhorro parece criança, né? Ô trocinho inteligente. Eu fico o tempo todo prestando atenção na bichinha.

Percebi que ela não gostou muito da ração Frolic, que foi a primeira que eu comprei pra ela na quinta-feira passada. Ela comeu um pouco na quinta, na sexta quase não tocou, no sábado acordou e nem quis ver a comida. Fiquei doidinha de preocupação até que o Paulo resolveu ligar pra mãe dele e ela sugeriu trocar a ração. Tiro e queda. Compramos a "Champs, mix de carnes". A bichinha comeu tanto que ficou pesada. Depois o Paulo arrumou uma coleirinha cor de rosa e a levou pra passear. Agora ela não deixa ninguém pegar a coleira, e é só a gente se aproximar da porta que a bicha fica doida querendo passear... :) Tá ficando rueira a cachorrinha.

O detalhe é que ela tá num chamego com o Paulo, que dá até ciúme... heheheh. Segue ele o tempo todo pela casa toda, deita no colo dele quando ele ta assistindo tv... um grude! :)


sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Cansada


Hoje não.

Hoje estou cansada demais para sorrisinhos, conversinhas de pé do ouvido, troca de confidências e até de carícias.

Não peça meu afeto para suas palavras. Me ofereça outra coisa.

Nem pensar eu quero hoje. Nem ouvir música. Nem fantasiar.

Hoje eu pus o sol de pé com minhas próprias mãos, e não me queimei mais por causa disso.

Quando vejo o dia escuro se tornar claro sinto que me perdi em algum momento da minha própria história.

Não me venha com tolices, pois hoje eu engoli um sonho sem nem sentir o gosto.

Guarde tudo para amanhã. Prometo que durmo cedo e acordo bem disposta pra você.

Minnie

Quietinha enquanto a mamãe adotiva trabalha:



Será que ela sente frio? Coloquei essa toalhinha para aquecê-la. :)

Meu bebê chegou :)

Geeente, que emoção!

Eu, que nunca cuidei de um ser vivo que faça barulho (só o meu marido barulhento), agora sou a cuidadosa tutora de uma cadelinha liiinda chamada Minnie :)

Ela veio hoje aqui pra minha casa. Tão charmosa, levou 15 minutos para tomar conta do ambiente. Forrei o meu sofá com uma manta e um tapetinho velho e deixei a bichinha solta... que farrenta :)

Olha só a farra dela com o Paulo:

Beijos! Depois eu conto mais.

Aplicada a conhecer e entender de Cinema

Então... há algum tempo eu ando incomodada com o meu pouco conhecimento sobre cinema aliada a uma péssima memória dos filmes que assisto. Co...