domingo, 6 de julho de 2008

Meu coração pulou...

Ah... será que é saudade?

Saudade ou não, esta madrugada fui parar no Pronto Socorro. Acordei sentindo um tremor, uma coisa fria percorrendo o corpo, uma dormência, uma tontura... um horror! E o Paulo estava em Goiânia. Foi pra lá ontem de manhã.

Eu não sabia o que fazer, não queria incomodar os parentes do Paulo que moram aqui perto. Quando eu digo "parentes" leia "minha sogra". E você entende porque eu não a chamei, né? Liguei para o meu plano de saúde, e descobri que ele havia sido cancelado. Durou até demais... Liguei para outras clínicas particulares por aqui perto de casa e descobri que nenhuma atende 24 horas. Me restou o bom e velho hospital público (se bem que "bom" é generosidade minha). Botei uma roupa às pressas, peguei um casaco do Paulo e "me virei".

Não hesitei, abri a lista telefônica e chamei um motoboy, de uma das empresas que operam aqui. O cara chegou rápido, me levou com rapidez e segurança, um cavalheiro que me deixou e depois foi lá me buscar, na maior educação. Foram 10 mangos bem pagos. A única coisa chata disso tudo é o frio que faz na garupa de uma moto. Me senti na pele dos personagens daquele filme "Debi & Loyde: dois idiotas em apuros", quando eles estão chegando em Aspen e arrumam uma motinha velha de um garoto, que eles congelam tentando chegar na cidade... O trecho da cena tá no final deste post. E, idiotices à parte, eu acho hilário!

Chegando ao hospital logo fui atendida. Após uma checagem da minha pressão arterial, umas perguntinhas rápidas sobre meu histórico de saúde... fui medicada e tranqüilizada. Sim... eu, que nunca tive sintomas de pressão alta na vida, entrei para o clube dos que precisam ficar atentos com essa questão. Afinal de contas, meu pai controla a pressão, e eu tenho que me cuidar agora pra não sofrer mais depois, aproveitando que meu sangue está ok, sem gordura, sem açúcar e todas essas coisas que faz o sangue da gente correr com mais dificuldade...

Bem, gente. Minha história emocionante é esta. Já estou em casa, segura e tranqüila, consultando o Dr. Oráculo Google, que diz o seguinte, para hoje:

"O tratamento sem medicamentos tem como objetivo auxiliar na diminuição da pressão, e se possível evitar as complicações e os riscos por meio de modificações nas atitudes e formas de viver, são elas:
1. Reduzir o peso corporal através de dieta calórica controlada: substituir as gorduras animais por óleos vegetais, diminuir os açúcares e aumentar a ingestão de fibras
2. Reduzir o sal de cozinha, embutidos, enlatados, conservas, bacalhau, charque e queijos salgados
3. Reduzir o consumo de álcool
4. Exercitar-se regularmente 30-45 minutos, de três a cinco vezes por semana
5. Abandonar o tabagismo
6. Controlar as alterações das gorduras sangüíneas (dislipemias), evitando os alimentos que aumentam os triglicerídeos como os açúcares, mel, melado, rapadura, álcool e os ricos em colesterol ou gorduras saturadas: banha, torresmo, leite integral, manteiga, creme de leite, lingüiça, salame, presunto, frituras, frutos do mar, miúdos, pele de frango, dobradinha, mocotó, gema de ovo, carne gorda, azeite de dendê, castanha, amendoins, chocolate e sorvetes
7. Controlar o estresse
8. Reduzir o sal é muito importante para os hipertensos da raça negra, pois neles a hipertensão arterial é mais severa e provoca mais acidentes cardiovasculares, necessitando controles médicos constantes e periódicos
9. Evitar drogas que elevam a pressão arterial: anticoncepcionais, antiinflamatórios, moderadores de apetite, descongestionantes nasais, antidepressivos, corticóides, derivados da ergotamina, estimulantes (anfetaminas), cafeína, cocaína e outros."

Essas informações eu tirei daqui.

Reduzir o peso, exercitar-me, evitar leite, liguiça, ovo, SORVETE? Controlar o estresse (como, fazendo estatística?)? Evitar moderadores de apetite e cafeína? Aff... Acho que já sei de onde veio meu aumento de pressão... hehehehe Tomara que o meu maridão chegue logo, e o meu coração sossegue.


Um beijo pra vcs!

Nenhum comentário:

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...