quarta-feira, 11 de junho de 2008

O último pau-de-arara

Nunca me identifiquei muito com a letra da música "Último Pau de Arara" que já foi gravada por tantos cantores brasileiros: Gilberto Gil, minha querida Maria Bethânia, Fagner, Zé Ramalho, Sérgio Reis, Luiz Gonzaga e tantos outros... Mas esta semana, ouvindo o disco do Gil, "Eu, Tu, eles", trilha sonora de filme homônimo, um trecho da letra me chamou atenção:

"Quem sai da terra natal
Em outro canto não pára"

e fiquei pensando nisso, como que sonha com a morte, como quem tem pressentimentos, e acorda num sobressalto. Eu nunca havia pensado nisso, uma sentença tão óbvia, tão sóbria...

Desse dia em diante passei a considerar qual probabilidade tenho eu de querer voltar pra minha terra natal, Manaus, ou me estabelecer definitivamente em algum lugar. Em Brasília não quero mais ficar, e tenho dito isso há tempos, no meu primeiro blog. Brasília é uma cidade maravilhosa, cheia de oportunidades, limpa e organizada. Mas, sinto que meu tempo aqui esá acabando, que tenho que buscar outros caminhos.

As vezes me sinto como um peregrino sem pouso. Mas me confronto sempre com a expectativa social de ter uma casa, um emprego estável, filhos... e eu sinceramente quero ter todas essas coisas. Qual é o tamanho da minha vontade para ambas as coisas? Elas são exclusivas? Posso ter as duas? Não sei... Me sinto tão dividida quanto à voz que canta...

"Uma parte de mim é todo mundo
outra parte é ninguém, Fundo sem fundo.
Uma parte de mim é multidão,
outra parte, estranheza e solidão.
Uma parte de mim pesa, pondera,
outra parte delira.
Uma parte de mim almoça e janta.
outra parte se espanta.
Uma parte de mim é permanente,
outra parte se sabe derrepente.
Uma parte de mim é só vertigem,
outra parte é linguagem.
Traduzir uma parte noutra parte,
que é uma questão de vida ou morte,
Será Arte?"

Letra da música "Traduzir-se", de Fagner e Ferreira Gullar.


Um comentário:

Marcy disse...

Oi!
É vero. Atualmente penso em fincar os pés em Porto Alegre, mas o Rio de Janeiro também é muito bom e Manaus não sai da minha cabeça. Oh senhor.... :-)

As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...