sexta-feira, 4 de agosto de 2017

As multidões


Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim
se pode oferecer, à custa do gênero humano, um banquete de vitalidade, a quem uma fada
insuflou, no berço, o gosto da dissimulação, a máscara, o ódio ao domicílio e a paixão da
viagem.

Multidão, soledade: termos iguais e convertíveis pelo poeta imaginoso e fecundo.

Quem não sabe povoar a própria solidão não sabe tão pouco isolar-se na massa inquieta.

O poeta goza do incomparável privilégio de poder, à vontade, ser ele próprio e outrem.
Como as almas errantes que procuram um corpo, ele entra, quando quer, na personalidade de
cada um. Só para ele, tudo está vazio; e, se certos lugares parecem-lhe interditos, é que a seus
olhos não valem a pena de ser visitados.

O passeador solitário e pensativo experimenta uma singular embriaguez nessa comunhão
universal. Quem esposa facilmente a multidão conhece prazeres febris, dos quais estarão
eternamente privados o egoísta, fechado como um cofre, e o preguiçoso, internado como um
molusco. Adota como suas todas as ideias, todas as alegrias e todas as misérias que as
circunstâncias lhe apresentam.

O que os homens denominam amor é muito pequeno, restrito e frágil, quando comparado à
inefável orgia, à santa prostituição da alma que se entrega toda, poesia e caridade, ao
imprevisto que aparece, ao desconhecido que passa.

Convém mostrar, às vezes, aos felizardos do mundo, ao menos para humilhar um instante
o seu tolo orgulho, que há venturas superiores à deles, mais vastas e mais refinadas.

Os fundadores de colônias, os pastores de povos, os sacerdotes missionários exilados nos
confins do mundo, conhecem sem dúvida alguma coisa dessa embriaguez misteriosa; e, no seio
da vasta família que o seu gênio formou, devem rir, às vezes, dos que lhes deploram o destino
agitado e a vida tão casta.

Texto: Charles Baudelaire, em "Pequenos poemas em prosa". Editora Hedra.
Imagem: Debra Cartwright


segunda-feira, 17 de julho de 2017

A assinatura de todas as coisas


"Na vida de todos nós, há dias que gostaríamos de ver riscados do registro de nossa existência. Talvez desejemos essa rasura porque certo dia nos causou uma tristeza tão devastadora que mal somos capazes de pensar nele de novo. Ou talvez desejemos encobrir um episódio para sempre por termos nos comportado muito mal - nosso egoísmo foi mortificante, ou nossa tolice atingiu níveis extraordinários. Ou talvez tenhamos machucado alguém e desejemos esquecer nossa culpa. Tragicamente, há certos dias na vida em que essas três coisas acontecem de uma só vez - em que ficamos de coração partido, somos tolos e machucamos os outros de maneira imperdoável ao mesmo tempo."



Trecho do livro "A assinatura de todas as coisas", da escritora Elizabeth Gilbert, que estou lendo atualmente. Domingo passado tive um dia assim. Fui machucada e machuquei alguém da minha família que amo muito. Certas feridas eu não sei que remédio por. Só peço a Deus me nos dê paz, equilíbrio e sabedoria a todos.

Ventilador de teto na decoração

Dia desses, conversando com um amigo de muitos anos que fotografa, entre outras coisas, decoração, ele comentou que tem um certo trabalho na hora de editar as fotos dos projetos que participa. E o motivo me provocou: ele disse que dá muito trabalho "apagar" o ventilador dos ambientes fotografados.

Não quero parecer a "advogada do diabo", mas como usuária do item, venho aqui defendê-lo. Quero mostrar que é sim um item digno de exibição. Basta escolher o modelo certo.

Por que o defendo: dependendo do ambiente ou da ventilação natural da casa, o ventilador é um amigão na hora de dar aquela refrescada sem pesar na conta de energia, ou sem ser necessário dispender de um alto valor (como é o caso de compra/instalação/manutenção) para obter uma casa mais fresquinha.

Meu apartamento, por exemplo, é bastante ventilado em todas as estações do ano. Mesmo nos dias mais quentes do verão a ventilação natural ajuda bastante. Mas eu sou manauara, e aprendi a dormir com aquele barulhinho da ventilação. não sei dormir sem ar-condicionado ou ventilador.

Eu resolvi colocar as imagens abaixo pra motivar o uso do ventilador de teto. Veja que as casa são lindas, e os ventiladores também. Logo, chego à conclusão de que não é o ventilador que deve ser "apagado" nem das casas nem das fotografias. É o dono do ambiente que precisa escolher modelos mais bonitos.




















segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Que mal tem?

Quero ter alguém, sim.
Que mal há nisso?

Que mal há em querer alguém
pra fazer bem
e que te faça bem também
por carinho,
felicidade e compromisso.
Vontade de estar juntos
e unidos.
Sem posse,
e sem, por isso,
controle.
Por contrato e por essência
ser de boa índole
por amor e por decência.

Só riso
e miolo mole.
Beijo na boca,
banho de sol,
Tromba d'água no meio da caminhada
pra esfriar a danação,
pra rir e chorar do nada
ou da blusa encharcada
de suor e lágrima.

Orar junto,
compartilhar o copo,
o livro, a cama,
as mãos, o ventre...
a vida.

Que mal tem em querer bem?
Que mal tem querer ter alguém?





Brasília, fim de verão, segunda-feira.
Quase carnaval no Brasil.

20/02/2017 - 18h16.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Arrefecer


Passei a última semana e Fortaleza, capital do Ceará, Brasil. Essa foi a palavra que definiu os últimos dias. Entrou para o rol de palavras favoritas. Pensei em escrever um poema, mas nem precisa.

ar·re·fe·cer |fècêr| Conjugar
verbo intransitivo
1. Perder parcial ou totalmente o calor ou quentura.
verbo transitivo
2. Moderar o ardoro entusiasmo.
3. [Figurado]  Perder o entusiasmodesanimar.




"arrefecer", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/DLPO/arrefecer [consultado em 24-10-2016].


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Pesar


pe·sar Conjugar
(latim penso-arepesarponderar)
verbo transitivo
1. Determinar o peso de.
2. Tomar o peso a.
3. Sopesar.
4. Manifestar ou acusar o peso de.
5. [Figurado]  Examinar com atenção e prudência. = PONDERAR
verbo intransitivo
6. Ter gravidade ou peso.
7. Exercer pressão.
8. Ter estima ou valor.
9. Influir.atuar no ânimo (a razão ou motivo de alguma coisa).
10. Servir de encargo ou .ônus.
11. Arrepender-se ou doer-se de alguma coisa.
12. Tornar-se .incômodo.
verbo pronominal
13. Suspender-seequilibrar-se no ar.
14. Fazer verificar o seu próprio peso.
15. [Figurado]  Avaliar-se com imparcialidade.
16. Conhecer-se.
17. Meter a mão na consciência.
substantivo masculino
18. Sentimento ou dor interior.
19. Mágoadesgosto.
20. Arrependimento.
21. Remorso.

"pesar", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/DLPO/pesar [consultado em 28-09-2016].

ou...

Aquela sensação amarga na boca, no estômago e na alma
típica de quem percebe que fracassou.


As multidões

Nem todos podem tomar um banho na multidão: ter o prazer da turba é uma arte. Só assim se pode oferecer, à custa do gênero humano, um b...